Páginas

30 dezembro 2021

Textual description of firstImageUrl

Antes Que o Ano Acabe

30 dezembro 2021 0 Comentários

O I.N.E. (INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA) DIVULGOU MAIS INFORMAÇÃO DEMOGRÁFICA RELATIVA AO ÚLTIMO RECENSEAMENTO DA POPULAÇÃO.


A freguesia de Montalvão conta com 290 habitantes: oito crianças até aos 14 anos, catorze adolescentes até aos 24 anos, 95 adultos até aos 64 anos e 173 idosos com 65 ou mais anos!

Ler Mais ►

29 dezembro 2021

Textual description of firstImageUrl

Repórter TVI

29 dezembro 2021 0 Comentários

A PROPÓSITO DA EXIBIÇÃO DE UMA REPORTAGEM NO «JORNAL DAS OITO» DO CANAL DE TELEVISÃO TVI.




Exibida em 28 de dezembro de 2021 com filmagens realizadas entre 31 de outubro e 7 de novembro deste ano de 2021.

Ler Mais ►

25 dezembro 2021

Textual description of firstImageUrl

Natal

25 dezembro 2021 0 Comentários
A SEMANA SANTA ERA A MANIFESTAÇÃO RELIGIOSA COM MAIS SIGNIFICADO EM MONTALVÃO. TRISTE E SENTIDA


O NATAL ERA A PRINCIPAL FESTA RELIGIOSA. ALEGRE E SOLIDÁRIA. MAS NÃO ERA A PRINCIPAL EM TERMOS SOCIAIS DEVIDO À POBREZA ENDÉMICA. ESTA ESTAVA RESERVADA PARA 8 DE SETEMBRO. EFUSIVA E EXPANSIVA.



Os primeiros preparativos para o Natal, se assim se pode dizer, era ir aos campos, em meados de setembro, onde havia barrancos e ribeiras e apanhar os gamões para secarem e estarem aptos para arderem na noite de 24 para 25 de dezembro.


Gamão

Na Igreja Matriz, geralmente junto à pia batismal, fazia-se o Presépio, depois do 8 de dezembro (assinalar das festividades de Nossa Senhora da Conceição), com musgo recolhido nas paredes e muros antigos, nos arredores de Montalvão a que se juntavam as habituais figuras em barro bem atapetadas pelo musgo viçoso da aldeia. Eram estas as duas primeiras atividades, uma popular - apanhar gamões para secarem - e outra religiosa - fazer o presépio na Igreja. Nas casas dos Lavradores ( "Ricos" em montalvanês) ouvia-se dizer que faziam grandes presépios mas poucos os viam na realidade. Alguns seriam mais lenda que verdade.



Em 24 de dezembro, após o dia de trabalho, começavam os preparativos para a noite e jantado o feijão com couves feito ao costumeiro lume de madeira a arder (lareira) havia uma divisão de rituais: homens para um lado, rapazes na rua e mães com as filhas na cozinha à lareira ("lume" em montalvanês).


Entravam em ação os rapazes
Iam buscar a «urra» (que não se deteriorando passava de uns anos para os outros) e davam os últimos retoques nas «fachas» de gamão seco que eram efémeras para durar uns minutos.



A «urra» era feita com uma panela de barro tendo a tapá-la pela boca uma pele de cabra retesada e no centro um gamão a furá-la com uma haste exterior de tamanho suficiente para ser manuseada. 

As «fachas» eram molhos de gamões (cerca de vinte) atados com correias de trovisco. Colhiam-se os gamões (no final do Verão), dobravam-se as extremidades para durarem mais tempo a arder, juntando-se em molho atado pela casca do trovisco. 


Trovisco

Correndo as ruas uns faziam soar a «urra» e outros faziam archotes das «fachas». Estas acendiam-se e muitas vezes já a esmorecer faziam acender outras faixas. Podiam arder em archote mais de cem faixas nessa noite de 24 de dezembro. A «urra» estava segura debaixo do braço esquerdo e abarcada por este, deslizando a mão direita pelo gamão encerado, ressoando a panela em urros que se ouviam ao longe. Fachas a arder e a panela a urrar num monte que dominava uma peneplanície de quilómetros fazia da noite de 24 de dezembro uma manifestação de luz e som avistadas e ouvidas a quilómetros de distância.  



Em casa, mães e filhas, colocavam o café ao "lume" 
Enquanto faziam filhós, coscorões, argolas, azevias e borrachões. Era frequente os mais pobres baterem às portas dos remediados a pedir "maia-lata de azeite" (um-quarto-de-litro) para fazerem meia dúzia de filhós.


Filhós em Montalvão; Coscorões no resto do Mundo

Pelas ruas enquanto os rapazes encenavam fogo e som, os homens cantavam em portanhol/espanholês
Com rapazes a percorrer as ruas roncando a «urra» e queimando as «fachas», os homens em grupo, alinhados a toda a largura delas, cantavam entre outras, num espanhol aportuguesado, uma canção à capela renegando tudo o que fosse material, consagrando-se ao Cristianismo, com ele dormindo, nele pensando e Jesus Cristo honrando:

Abre-me a puerta
Cerra la ventana
Esta noche-buena
Vou dormir à tua cama

Abre-me ta puerta
Cerra te postigo
Esta noche-buena
Vou dormir contigo

Não quero más bola
Não quero más novilhos
Que estan mui caros
Los campanilhos
Los campanilhos

Além naquele cerro
Fazem lume os pastores
Aonde nasceu el niño
Entre las flores



Entretanto tocava o sino na Igreja Matriz
E todos se dirigiam para o interior da igreja. No final da «Missa do Galo» regressavam a casa para cear as iguarias na cozinha. Os pais deitavam rebuçados e amêndoas ao ar dizendo que eram ofertas do «Menino Jesus».



Com muita sorte havia "sapatinho"
Na manhã do dia seguinte, 25 de dezembro, raras vezes mas por vezes acontecia, havia uma peça de roupa interior junto do par de sapatos deixados à beira da cama.




Logo de manhã
No dia 25 de dezembro, na Missa matinal, beijava-se a figura do "Menino" que seria o reconhecimento ao nascimento de Jesus e...




Para algumas das mais belas pinturas da Natividade (clicar)



... recomeçava mais um ciclo de vida até ao Natal seguinte...


Eis Montalvão, cuja origem remonta ao mais puro rito do Cristianismo Templário. 


As atividades humanas decorriam pontuadas pelas cerimónias do Divino
Ler Mais ►

17 dezembro 2021

Textual description of firstImageUrl

A Carreira (Parte I: Viação Murta)

17 dezembro 2021 2 Comentários

EM FINAL DOS ANOS 30 O TRANSPORTE DE PASSAGEIROS E MERCADORIA LIGEIRA (ENCOMENDAS) CHEGA A MONTALVÃO.



Num território muito isolado, pela rede hidrográfica conjugada com o solo com afloramentos rochosos de grande dimensão que dificultam a circulação dentro do vasto território quanto mais sair dele. A rede de caminhos - para pessoas e um animal sempre foi muito utilizada - para "carretas e carros de parelha" já menos e com muita dificuldade entre meados do Outono e outro tanto na Primavera. Mas havia ligações diretas para Castelo Branco (via Lomba da Barca para atravessar o rio Tejo), Cedilho (atravessando o rio Sever em alguns locais desde a confluência da ribeira de São João até à foz no rio Tejo), Castelo de Vide (via Póvoa e Meadas), Alpalhão (aproveitando uma fase plana do Ribeiro de Fivenco e da Ribeira de Nisa a montante destas) e Nisa (via ponte de pedra da Senhora da Graça, caminho onde se desenvolveu o Pé da Serra por ficar numa cumeada e na encruzilhada do caminho para a Salavessa e Montalvão). Mas foram as estradas (clicar) que permitiram que não fossem apenas os almocreves e os bufarinheiros a sair e entrar de Montalvão vindos de outras localidades ou os «riques» de Montalvão utilizando os seus cavalos e éguas. 


(clicar em cima desta e de quase todas as imagens permite melhor visualização das mesmas)


Apesar de ainda ser um mapa em que havia pouco rigor por não haver "triangulações geodésicas" que só em meados do século XIX foram usadas em Portugal não havia a estrada que há na atualidade bem como a ponte da mesma na ribeira de Nisa. A circulação entre Montalvão e Nisa fazia-se pela ponte de pedra da Senhora da Graça
A ponte de pedra sobre a ribeira de Nisa junto da Ermida de Nossa Senhora da Graça


Coube a uma empresa de transportes de Portalegre a «Empresa de Viação Murta» começar a explorar comercialmente a norte da cidade, utilizando as estradas para ligar as localidades mais importantes. Os "Murtas" já tinham vasta experiência no transporte de passageiros quando estudaram a forma de ligar Portalegre com Montalvão e localidades próximas conseguindo paragens em cinco localidades com os autocarros de passageiros a pernoitar em Arez. Cada viagem ou percurso demorava cerca de três horas e meia, de manhã e outro tanto à tarde. Sete horas de trabalho para os empregados da «Empresa de Viação Murta». Havia a preocupação em fazer ligação - mesmo não direta - com percursos ferroviários na Linha do Leste por ligação ao Ramal de Cáceres (por Castelo de Vide) e ao Ramal de Portalegre (por Portalegre) pois «Os Murtas» iniciaram a atividade, em 1927, estabelecendo percursos com estas estações ferroviárias.

Todos os dias, 365  ou 366 dias por ano. De manhã: partida de Montalvão pelas 08:33 horas chegando a Portalegre pelas 10:10 horas. Montalvão passou a estar a 37 minutos de Nisa, 17 minutos de Póvoa e Meadas, 42 minutos de Castelo de Vide, uma hora e sete minutos de Portagem e 1 hora e 37 de Portalegre. À tarde: saída de Montalvão às 18:32 horas para chegar a Arez pelas 19:25 horas. Nisa a 37 minutos e Arez a 53 minutos
Portalegre (10$00), Portagem (6$50), Arez (5$50), Castelo de Vide (5$00), Nisa (3$50) e Póvoa e Meadas (2$50). Havia o mais importante transportes mas só para quem tinha grande necessidade (não era "barato" para o que se ganhava à jorna nos Anos 40) e compensava largamente, em tempo, comodidade e gastos em comida para muito mais horas de viagem. Na «apanha da azêtona», em meados dos Anos 50, a jorna (diária) era de 5$00/6$00 para as «mulhés»  e 8$00/10$00 para os «hómes». Os «riques» até eram os que pagavam menos. O meu avô materno - Ti Zé Caratana (carpinteiro) mas com cerca de mil oliveiras - tinha de contratar ajudantes pagando 6$00 e 9$00 ou 10$00 (para «catchópes» já adultos aos domingos) quando questionado, desta incongruência, respondia com o seu tom irónico: "Então porque é que achas que eles são ricos?" 
Em cima: Internacional de 1935 (AD-42-37) com 33 lugares. O autocarro de passageiros (ou poderia ser outro semelhante) que fez a primeira viagem comercial a ontalvão, em 8 de maio de 1939. Em baixo: Ford de 1941 (EI-11-54) com 30 lugares
Com base no mapa que existia em 1939 - embora algumas estradas já tivessem tido melhoramentos - o percurso entre Arez e Portalegre e vice-versa que consumia, respetivamente, duas horas de 35 minutos e duas horas e 25 minutos
10 de setembro de 1952. A placa da paragem da "Viação Murta" (assinalada a azul) na parede de um dos edifício, do lado esquerdo, de quem sobe a rua de São João, ou seja, no sentido do trânsito a descer, embora os autocarros de passageiros não passassem para lá deste local, ou seja, não subiam o Arrabalde. Chegada da comitiva oficial a Montalvão subindo a rua de São João para inaugurar as novas instalações da Casa do Povo, num edifício construído exclusivamente para tal, na antiga "Horta da Ramalhoa" na rua de São Pedro. Com a "Transportadora Setubalense" a paragem passaria para o lado contrário - do outro lado da rua, no sentido do trânsito a subir - embora paralela a esta

Com a melhoria nas estradas e nos veículos além de encurtar horários foi possível gastando o mesmo tempo chegar a outras localidades. Por isso os "Murtas" estudaram possibilidades para chegar mais longe indo mais depressa tentando outra ligação com os caminhos de ferro - Linha da Beira Baixa, em Belver. Por dificuldades várias só quase 20 anos depois foi possível Montalvão ter ligação direta, com regularidade diária, a Belver. 

Do melhor que havia em Portugal nos Anos 50: Maudslay/AEC Regal IV com 42 lugares (GA-18-86) e Berliet com 33 lugares (IA-20-93) 
O autocarro Daimler de 1954, com 43 lugares, que deve ter "visitado" Montalvão em alguma viagem até 1957 continuando depois desta data a transportar pessoas e "encomendas" pela «Transportadora Setubalense». A frota estava modernizada - quando comparada com os autocarros do inicio da «Empresa de Viação Murta» - como se comprova na imagem superior, com autocarros Magirus, Berliet e Maudslay

A empresa desmoronou-se por morte de pai e filho num curto espaço de tempo, tendo a família decidido vender veículos e autorizações de exploração de percursos, para passageiros, a João Cândido Belo com a sua poderosa «Transportadora Setubalense» ("Os Belos") a adquirir a «Empresa de Viação Murta» em 1957. Mas isso é outra história.



Próxima Paragem (parte II): Transportadora Setubalense. 


NOTA FINAL: Agradecimento a Luiz da Trindade Martins Murta e ao seu filho, Artur Pereira Martins Murta, donos da «Empresa de Viação Murta», pelo modo como permitiu quebrar o isolamento de pessoas e mercadorias em Montalvão possibilitando que este grande povoado e território a Norte do norte alentejano se ligasse ao Mundo. Obrigado.

Ler Mais ►

11 dezembro 2021

Textual description of firstImageUrl

Antas

11 dezembro 2021 1 Comentários

UMA DAS QUATRO FOLHAS EM QUE O VASTO TERRITÓRIO MONTALVANENSE ESTEVE DIVIDIDO DURANTE SÉCULOS.



Talvez que desde a formação da localidade já com características de povoação para lá de um lugarejo, entre finais do século XIII e início do século XVI.


Carta Corográfica de Portugal; Folha 28 (Nisa); Escala 1/100 000; Instituto e Geográfico e Cadastral; Edição de 1960; Lisboa

Aquando do inventário para avaliar os danos causados pelo terramoto de 1 de novembro de 1755, da Corte em Lisboa, foi enviado um inquérito aos párocos de todo o País, aproveitando para saber de cada paróquia - povoações e territórios - as características geográficas, demográficas, históricas, económicas, religiosas e administrativas. O aviso (perguntas) data de 18 de janeiro de 1758, assinado pelo Secretário de Estado dos Negócios Interiores do Reino (equivalente ao atual primeiro ministro), Sebastião José de Carvalho e Melo, futuro «Marquês de Pombal» em 1769 depois de ser «Conde de Oeiras», em 1759. A resposta de Montalvão surge em 24 de abril de 1758, pelo Vigário Frei António Nunes Pestana de Mendonça.


A pergunta é:



5. Se tem termo seu: que lugares, ou aldeas comprehende, como se chamaõ? E quantos visinhos tem?


A resposta (texto inicial):



5. Tem termo proprio dividido em quatro folhas - a saber Diagueiros, que tem huma legoa de comprimento para as partes de Castello de Vide = a folha de Magdalena, que tem outra legoa de comprimento para as partes de Nisa - A folha das Antas que hé a menor de todas terá três quartos de comprimento para as partes de Castella = finalmente a folha da Barreyra, que tem huma légoa para as partes da Beira, e finalisa no rio Tejo = ...... continua com a descrição e dimensão dos lugares


A folha das ANTAS deve o nome, certamente, à enorme variedade de construções megalíticas, com origem nos primeiros Seres Humanos que ocuparam a região na Pré-história, que existiam em ambas das margens do rio Sever e cujas lajes e pedras foram depois aproveitadas pelos montalvanenses para fazer palheiros, currais, poços e pedreiras. Apesar de ser uma "folha" pequena é a que era mais generosa em água, quer de nascentes, quer de água corrente (rio Sever). Era nesta "folha" que se localizavam quatro dos principais poços que abasteciam de água a povoação, além de um generoso chafariz (clicar). Dotada de inúmeros pequenos cursos de água (barrocas) que desaguam no rio Sever, mesmo os dois ribeiros - «Marí Neta» e «Dourédes» não têm grande extensão e correm pouco tempo no Inverno. Mas era uma "folha" com facilidade de ligação a Castela, depois Espanha nas proximidades de Montalvão. Além disso havia as azenhas (moinhos de rio) e uma grande variedade de peixes. "Folha" pequena mas com variedade de utilização e amplas e diversas possibilidades. 



As três pequenas sub-bacias:

Ribeira da Marí Neta;

Ribeiro dos Dourédes;

Barroca de Vale do Forno.



Em Montalvão, um chafariz é uma nascente com uma bica em que a água corre para uma pia onde animais de grande porte (vacum, cavalar, muar e asinino) podem saciar a sede. Uma fonte pode ser um poço - água tirada a caldeiro - mas ficando sempre num espaço público. Uma nascente com bica mas sem pia a que tenham acesso animais de grande porte também é uma fonte, por isso há dois tipos de fonte: com bica e com caldeiro (forma de poço, mas em espaço público). O Chafariz de Santa Clara é a melhor nascente em toda esta folha das «Antas». 



A folha das «Antas» tinha grande importância pois permitia a ligação a Espanha embora devido ao encaixe do leito do rio Sever - as «Barrêras do Rio» são imponentes - apenas em determinados açudes e pégos (portos) com destaque pelo do Artur que se localiza no seguimento da Porta de Baixo. A descrição do rio Sever, publicada em 1803, merecerá destaque em breve, completando o que dele se escreveu (clicar). 



Apesar de pequena - relativamente às outras três folhas (Diagueiros, Madalena - nesta há muitíssimo para "dizer" até porque Santa Maria Madalena é padroeira (protetora) dos Templários - e Barreiras) a folha «Antas» tinha dois caminhos estruturantes. Para Oeste, o dos Moinhos - servindo essencialmente a azenha do Artur - e para Norte o caminho da Foz que era junto a Montalvão o caminho para a Lomba da Barca, ligando o Alentejo com a Beira Baixa praticamente todo o ano, exceto em dias de invernia que tornassem o rio Tejo perigoso devido à corrente e materiais arrastados que pudessem provocar rombos na Barca. No troço final o «Caminho da Foz» deixava de ser uma linha de festo, topos ou cumeada e seguia junto ao leito da Barroca de Vale do Forno.




Num território que pertencia a Montalvão, numa das quatro folhas em que estava dividido junto aos caminhos que estruturavam este espaço e permitiam a sua utilização e atravessamento - o caminho dos Moinhos com ligação a Espanha todo o ano pela azenha do Artur - localizava-se a Ermida de Santa Margarida. Todas as quatro folhas tinham um caminho estruturante e uma Ermida importante.


Conhecer a evolução de cada uma destas quatro folhas é perceber como se conseguiu assegurar a subsistência de uma povoação como Montalvão. É tão interessante perceber a evolução agrária destes espaços do vasto território montalvanense como perceber a evolução e crescimento dos arruamentos do povoado.


Numa área dominada pela média e grande propriedade com destaque para o «Monte da Foz», tendo como últimos proprietários António Ferro (morava na rua da Barca) depois dos filhos «Jaquim Ferro» - solteiro morou com ele - e Domingos Ferro, habitava a casa do sogro o senhor Jaime (Regedor durante décadas) na casa da Praça da República (Monte da Foz que agora, consta, são eucaliptos do Novo Banco) há a curiosidade de a sul dessa propriedade e a norte dos Dourados existir um núcleo de olival em minifúndio - cerca de uma centena de «tchões» bem longe de Montalvão, aproveitando as vertentes de duas barrocas do «Muro da Porta» e do «Brás Neto». Esta "folha" como é a menor torna-se mais fácil de perceber quem eram os proprietários: ascendentes da família do senhor António Ferro e da esposa do senhor António Louro. Um dos maiores terratenentes montalvanenses - António Ferro - viu terminar a descendência, a viver em Montalvão, com a morte trágica do neto - um filho (Joaquim Ferro) nunca lhe deu netos e o outro - Domingos Ferro - teve um descendente que faleceu na Guerra Colonial (norte de Angola), em 21 de novembro de 1964, a quatro dias de completar 23 anos (clicar) além de uma filha que casou com um espanhol indo viver para Espanha. 


Só pode existir uma povoação e esta ter desenvolvimento durante séculos (sete) porque há um território que lhe deu subsistência e sustentabilidade, bem como a existência de água. Sem água não há vida.


Assim se foi fazendo Montalvão...

Ler Mais ►

08 dezembro 2021

Textual description of firstImageUrl

Imaculada Conceição de Nossa Senhora

08 dezembro 2021 0 Comentários
CELEBRADA EM MONTALVÃO DURANTE MUITO TEMPO COMO UM DIA TAMBÉM CONSAGRADO ÀS MÃES.



O dia 8 de dezembro celebra a conceção da mãe de Jesus Cristo, ou seja, a sua origem no ventre da mãe de Maria, que como se sabe se chamava Ana,  Sant'Ana. O dia 8 de dezembro foi escolhido por ser nove meses antes de 8 de setembro do ano seguinte, considerado a data da natividade de Maria. 



No Cristianismo, o dia é celebrado desde o século VII (antes de existir povoamento contínuo em Montalvão). Depois foi institucionalizado no calendário litúrgico, pelo Papa Sisto IV, em 28 de fevereiro de 1477.



 
Em 8 de dezembro de 1854, o Papa Pio IX define o dogma da origem "Imaculada" e assim ficaria em definitivo para a Cristandade adquirido uma importância enorme. Apenas "ofuscada" com as Aparições e a criação da imagem e culto a Nossa Senhora de Fátima, depois do 13 de maio de 1917. 


Este dia adquiriu uma outra dimensão e significado quando o Rei de Portugal, Dom João IV, em 25 de março de 1646, proclamou solenemente que «Nossa Senhora da Conceição» seria Rainha e Padroeira de Portugal. 



Quando Montalvão vivia isolado, antes da divulgação do culto mariano com enfoque em Maio, devido às Aparições de Fátima, e depois a institucionalização mundial ou quase do «Dia das Mães» como data com tendência para ser unificada - em Portugal é comemorado no primeiro domingo de Maio - podia considerar-se o 8 de dezembro como o «Dia da Mãe Montalvanense». Em Montalvão e um pouco por todo o Portugal.



Em Montalvão, o dia começava na Igreja Matriz com a Missa tendo, já no século XIX, incluída a oração solene do dia havendo depois sermão do púlpito.



A «Procissão de Nossa Senhora» seguia o roteiro habitual com a solenidade comum - e que um dia será descrito no blogue num texto exclusivo - por ser digna de tal pelo impacte de grandiosidade e solenidade que tinham as procissões em Montalvão. Quando ao roteiro: saída da Igreja Matriz, descer a rua da Barca até ao «Fundo da Rua», virar à esquerda para subir a rua da Costa. Ao cimo desta, virar para a direita pela rua Direita até à continuação desta pela rua do Cabo. Ao chegar ao início da Corredoura, virar à esquerda pelo início da azinhaga de São Pedro junto à Corredoura, em direção ao «Adro do São Pedro». Seguia pela rua São Pedro continuando rua do Arneiro abaixo, depois virando à esquerda pela rua do Arrabalde. Subia esta e terminava na Igreja Matriz. 



A oração deste dia rezada durante a missa dominical. 

Virgem Santíssima,
que foste concebida sem pecado
e por isso mereceste o título
de Nossa Senhora da Imaculada Conceição;


Evitaste todos os outros pecados,
e por isso o Anjo Gabriel chamou-te
“Avé Maria, cheia de graça"!


Peço-te que me alcances o auxílio
do teu divino Filho
para vencer as tentações e evitar os pecados.
E já que te chamo Mãe,
atende-me com carinho maternal esta graça (dizer o pedido);
para que possa viver como digno filho teu.


Nossa Senhora da Conceição, rogai por nós.


Amen




A música do mestre:





Não havia por hábito, em Montalvão, queimar um majestoso tronco de madeira, de 7 para 8 de dezembro, o «Madeiro de Nossa Senhora», geralmente oferecido por um dos Lavradores ("riques" em montalvanês) que se iam revezando anualmente, o que era muito vulgar em inúmeras localidades de Portugal. Esses também são mistérios montalvanenses. 















As excepções que parecem fazer, muitas vezes, de uma aldeia como Montalvão caso único em Portugal. Porque seria? Talvez os fundadores da localidade, para lá de meados do século XIII considerassem tal um rito pagão. E é! Adorar toda a noite e madrugada um madeiro incandescente. Depois perdeu foi significado como tal!


«As Mães das Mães». Uma das mais belas, em significado, composição, expressão e enquadramento de três gerações: Sant'Ana, Maria e Jesus. Obra pintada em 1424/1425 pelo mestre Masolino (1383/1447) de Masaccio (1401/1428). Quando o discípulo Masaccio começava a superar o mestre... morreu, aos 27 anos! 

Eis Montalvão cuja origem remonta ao mais puro rito do Cristianismo Templário. As atividades humanas decorriam pontuadas pelas cerimónias do Divino

Ler Mais ►