Páginas

06 novembro 2021

Textual description of firstImageUrl

Ribeiro de Fivenco 1803

06 novembro 2021 4 Comentários

RIBEIRO IMPORTANTE NUM VASTO TERRITÓRIO ONDE OS RIOS QUE O DELIMITAM SÃO O TEJO E O SEVER. 


A grafia do nome do ribeiro é muito variada, tendo já referências ao mesmo escritas no século XVIII (Fivelrro), no século XIX (Fevebro, Feverlo e Fevel) e no século XX (Fivelo, Fivenco e Fouvel) certamente influenciadas pela oralidade com que quem perguntava se confrontava. No século XX na Salavessa é Fiverlô e em Montalvão até se ouvia duas designações: Fevêle ou Fouvôile.«Lá pró Pé Lázar no rebêre de Fouvôile!»


Seja como for o ribeiro é estruturante para o território, primeiro concelho e depois de 6 de novembro de 1836, freguesia não só por ser uma linha de água das maiores e sem dúvida a que tem a maior superfície (sub-bacia hidrográfica fazendo parte da bacia do rio Tejo de que é afluente "direto") ocupando na freguesia a maior área muito superior a qualquer outra. Aliás o Plano Diretor Municipal de Nisa dá-lhe o devido destaque.



Mas o ribeiro de Fivenco tem ainda outras duas particularidades. 

1. É sem dúvida um dos responsáveis pelo isolamento do território durante séculos devido à dificuldade, principalmente de Inverno, que colocava em ultrapassar de uma margem para outra - ou seja, isolava Montalvão para Sul e Sudoeste - sendo a sua importância e inacessibilidade tal que é a vertente sul demarca a fronteira do anterior concelho e depois freguesia praticamente em toda a extensão. Desde a nascente quase na Póvoa e Meadas até muito próximo da foz. Até é algo surpreendente o porquê do território montalvanense ter como limite o leito do ribeiro já tão perto da sua confluência com o rio Tejo quando o setor da sua sub-bacia que não faz parte da freguesia é diminuto. Ao tempo, quanto foi feita a demarcação, entre Montalvão e Nisa (freguesia de Nossa Senhora da Graça), algo fez com que assim ficasse decidido.  




   2. O ribeiro tem importância desigual para a Salavessa e para Montalvão. Correndo a sul da Salavessa tem (ou tinha...) para esta uma importância económica que não tem para Montalvão. Tinha moinho (do Fivêrlo) e na foz uma azenha (Pêgo do Bispo) já no rio Tejo, sem dúvida o engenho mais sofisticado para moagem existente em todo o território montalvanense. Ficará para outra ocasião fazer uma espécie de radiografia do ribeiro desde a nascente até à foz - onde foi mesmo cortado uma nesga de lajes, o «buraco» - para abreviar o local onde desagua no rio Tejo. Com fotografias de vários locais, alguns bem pitorescos, incluindo as travessias centenárias, além de imagens do moinho do Fivêrlo. Serão notas com a descrição de alguém que é de Montalvão valorizando com a opinião salavessense, até porque em termos de importância, o ribeiro é "muito mais da Salavessa que de Montalvão" visto ser mais importante para a Salavessa que para Montalvão. 



Neste texto há que colocar a descrição do ribeiro feita há 220 anos por quem não era da região mas estava a fazer um reconhecimento do território.  Foi o então Oficial do Real Corpo de Engenheiros, José Maria das Neves Costa, nascido em Carnide (atualmente pertencente a Lisboa) que fez o reconhecimento militar da fronteira do Nordeste Alentejano, a deixar um conjunto de memórias descritivas e uma carta topográfica pormenorizada que mesmo sendo trabalhos para o exército (Inspeção Geral das Fronteiras e Costas Marítimas do Reino). Apesar de ser realizado sob o ponto de vista do interesse militar, o trabalho documenta com preciosidade e minucia o que eram e por onde se deslocavam os montalvanenses no início do século XIX. Em 1803 foi publicado o seguinte:

 


Santo António da Giesteira onde na realidade a fisionomia do ribeiro se altera profundamente.


E as descrições que ilustram como o ribeiro para os montalvanenses, antes da construção da estrada nacional n.º 359 que liga Montalvão a Nisa, era um forte factor de impedimento das ligações a Nisa/Pé da Serra e Alpalhão. Neste caso é de referir que antes da construção da citada estrada o caminho para Alpalhão não coincidia com o caminho para Nisa. Exatamente para aproveitar passagens mais facilitadas sobre o ribeiro de Fivenco e sobre a ribeira e Nisa.





   Próxima paragem: o ribeiro de Fivenco no século XXI


4 comentários blogger
  1. Estou em Castelo de Vide. Daqui a 2 dias parto para Monfortinho mas vou por Valencia de Alcantara, Membrio e depois sigo por terras que já pertenceram a Portugal antes do tratado de Alcanizes. poupo quase 30 km e aproveito para meter gasóleo na autocaravana.
    Vou passar pela magnífica ponte do Trajano e reentro de novo em Portugal com destino a Monfortinho.
    Abraço ao Caratana 1

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Excelente viagem. A última vez que a fiz foi em 1991 e ainda deu para falar com a Ti Chitas em Penha Garcia depois de passar por Monfortino e Monsanto. Quando descer de Membrio para a ponte sobre o rio Salor estará em ex-território Templário da Açafa, e na ponte a antiga fronteira de Portugal até Dom Dinis que assim o quis, depois é subir até Alcântara. Disfrute da viagem e do gasóleo espanhol. Abraço Montalvanense.

      Eliminar
  2. Embora emigrado há mais de dez anos e natural de uma das encostas da Serra da Arrábida, tenho-me deliciado com algumas das publicações que revelam particularidades do interior do nosso país. Apaixonado pelas regiões mais longíquas e desfavorecidas (vim parar ao norte da Suécia, onde cada povoado dista cinquenta quilómetros do próximo) e foi zona dos esquimós europeus, cujas terras de pastorício de Renas vão do norte da Noruega, passam peo norte da Suécia e chegam à Finlândia e ainda uma pequena parte do norte da Russia. Como se sabe não há nenhum país dos esquimós ( SAMI como se intitulam), eram pastores e não guerreiros e facilmente foram dominados por qualquer um que se aproximasse, a quem convidavam para se aquecer no fogo em vez de os escorraçar. Não foram extintos como outros, mas a sua cultura quase desapareceu o que me entristece, por achar que a história e as tradições devem ficar perservadas,. Sem nenhum saudosismo mas, foram todos os acontecimentos passados que nos trouxeram aqui, como tal, devem ser preservados e lembrados quando nos apetece! O meu Obrigado!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agradeço. O território montalvanense esteve isolado por questões de orografia e hidrografia durante séculos. Era como uma ilha rodeada de terra. Em breve vou falar da escassez da água quando era necessário "matar a sede" a cerca de 2 500 pessoas e em final de setembro as nascentes apenas pingavam e não corriam. Incrível como se sobrevivia. A «Odisseia da Água». A localidade mais a norte da Suécia onde já estive foi em Haparanda de comboio tendo Tornio (Finlândia) bitola diferente. Depois ainda "subi" a Rovaniemi e Kemijarvi. Isto em 1984. Onde isto já vai, mas parece que foi ontem pois era agosto e havia o "famoso" Sol da meia-noite embora nunca o tivesse visto pois esteve sempre encoberto por nuvens e 11 graus de temperatura durante 48 horas! Saudações.

      Eliminar