Páginas

29 dezembro 2020

Textual description of firstImageUrl

Presidenciais 2001

29 dezembro 2020 0 Comentários

MONTALVÃO VOTOU EM JORGE SAMPAIO PARA SER REELEITO PRESIDENTE DA REPÚBLICA TAL COMO O RESTO DO PAÍS.



Em 14 de janeiro de 2001, o candidato mais votado foi Jorge Sampaio, com 207 votos, correspondendo a 64,29 por cento dos 322 votos válidos em 329 votantes. Os votos nulos e brancos, sete em 2001 - não são contabilizados nas percentagens totais nas eleições para a Presidência da República. O segundo candidato mais votado, com 51 votos, foi Ferreira do Amaral com menos 156 votos (15,84 por cento). António Abreu teve 50 votos (15,53 por cento) com todos os cinco candidatos a serem votados.



Os cinco candidatos tiveram origem partidária. Garcia Pereira foi apoiado pelo Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP). Ferreira do Amaral apoiado pelo Partido Social Democrata (PSD), Partido do Centro Democrático Social - Partido Popular (CDS/PP). Fernando Rosas teve o apoio do Bloco de Esquerda (BE) de que foi um dos organizadores e fundadores. António Abreu foi apoiado pelo PCP - PEV: Partido Comunista Português e Partido Ecologista "Os Verdes". Jorge Sampaio foi apoiado pelo Partido Socialista (PS).



O Presidente da República foi eleito com 55,76 por cento dos votos (2 411 453 votos) com Ferreira do Amaral em segundo lugar, com menos 917 595 votos, correspondendo a 20,72 por cento da votação (1 493 858 votos). António Abreu teve a terceira maior votação: 221 971 (5,15 por cento) menos 2 189 482 de votos que Jorge Sampaio. 



Próxima "paragem": Presidenciais 1996




Ler Mais ►

26 dezembro 2020

Textual description of firstImageUrl

As Folhas de Montalvão

26 dezembro 2020 0 Comentários

DURANTE SÉCULOS O CONCELHO DE MONTALVÃO ESTEVE DIVIDIDO EM QUATRO FOLHAS.




Talvez que desde a formação da localidade já com características de povoação para lá de um lugarejo, entre finais do século XIII e início do século XVI.


Aquando do inventário para avaliar os danos causados pelo terramoto de 1 de novembro de 1755, da Corte em Lisboa, foi enviado um inquérito aos párocos de todo o País, aproveitando para saber de cada paróquia - povoações e territórios - as características geográficas, demográficas, históricas, económicas, religiosas e administrativas. O aviso (perguntas) data de 18 de janeiro de 1758, assinado pelo Secretário de Estado dos Negócios Interiores do Reino (equivalente ao atual primeiro ministro), Sebastião José de Carvalho e Melo, futuro «Marquês de Pombal» em 1769 depois de ser «Conde de Oeiras», em 1759. A resposta de Montalvão surge em 24 de abril de 1758, pelo Vigário Frei António Nunes Pestana de Mendonça.



 
A pergunta é:


5. Se tem termo seu: que lugares, ou aldeas comprehende, como se chamaõ? E quantos visinhos tem?

A resposta (texto inicial):



5. Tem termo proprio dividido em quatro folhas - a saber Diagueiros, que tem huma legoa de comprimento para as partes de Castello de Vide = a folha de Magdalena, que tem outra legoa de comprimento para as partes de Nisa - A folha das Antas que hé a menor de todas terá três quartos de comprimento para as partes de Castella = finalmente a folha da Barreyra, que tem huma légoa para as partes da Beira, e finalisa no rio Tejo = ...... continua com a descrição e dimensão dos lugares

 

A curiosidade está na pedra tumular de D. Vasco Fernandes que esteve na origem de Montalvão e que estando, inicialmente sepultado junto ao altar-mor, como os montalvanenses mais idosos ainda se recordam, agora serve de tapete à entrada da Igreja Matriz (alguém se lembrou, em 1967/1969, que era "bonito" embelezar a entrada da Igreja e tem levado à destruição da pedra - felizmente a igreja está quase sempre fechada - e o desgaste é residual) pois no topo da pedra tumular a composição do quadrilátero é de um simbolismo exemplar, embora pareça dividir o território em três folhas, uma maior a Sul - confinando com "terra" (Castelo de Vide e Nisa) e duas menores a Norte com "água" representada por conchas - a Noroeste com o rio Tejo e a Beira e a Nordeste com o rio Sever e Castela/Espanha. 



As conchas (vieiras) também fazem parte do brasão da família Fernandes



Enquanto não houver um documento a descrever será sempre suposição, mas esta pedra tem muitos enigmas pois fixando - 30 segundos bastam - a rosácea templária, na base do túmulo, ela está cinzelada de modo a parecer que se altera entre baixo e alto relevo. 

(clicar em cima desta e de quase todas as imagens permite melhor visualização das mesmas)



Desde o século XVIII que todos os caminhos, azinhagas e carreiros, em terra "batida pelo pisoteio de pessoas, animais e veículos de tração animal", estão bem descritos em vasta documentação, por vezes com suporte cartográfico. Dos caminhos das "carretas" (veículos de tração animal) aos das "bestas" (animais albardados e pessoas) estes com percursos mais curtos, embora mais sinuosos e estreitos. Tal como o curso dos ribeiros e rios como haverá, em breve, o devido e merecido destaque neste blogue. As quatro grandes vias que separaram as quatro folhas são essencialmente traçadas por utilização das cumeadas a dividir as quatro grandes sub-bacias de ribeiros e ribeiras, duas para o rio Sever e outras duas para o rio Tejo. Alguns desses caminhos tiveram cobertura a macadame e alcatrão. No século XX outras estradas surgiram expropriando tapadas, mas as ligações centenárias ainda existem, embora muitas cobertas de xaras, giestas e vegetação agreste. A "Porta de Montalvão" em Nisa marca a direção do principal caminho (o do Oeste) devido à ribeira de Nisa. O caminho de Sul e Leste esteve sempre facilitado pela cumeada desde a confluência Sever/Tejo até ao caminho para Castelo de Vide, uma ligação entre a separação de águas para o rio Sever (a Este) e o rio Tejo (a Oeste). O do Norte pela Barca, no rio Tejo. Principal mas complexo e muito dependente das condições de navegabilidade do maior rio peninsular.



As quatro folhas, em 1758, não são difíceis de delimitar pois num território com economia agrícola a separação de águas estabelecia as divisões. A exceção deve ser o secular caminho de Montalvão para Alpalhão e Nisa, "apartado" pelo Monte Queimado, em direção à ponte de pedra na ribeira de Nisa (junto à Ermida de Nossa Senhora da Graça) entrando na porta de Montalvão "cortando" a sub-bacia do ribeiro de Fevêlo estabelecer a delimitação. 

Carta Corográfica de Portugal; Folha 28 (Nisa); Escala 1/100 000; Instituto e Geográfico e Cadastral; Edição de 1960; Lisboa

A folha das Antas que é a mais pequena (nas "Barreiras do Sever") deve ser a que corresponde aos pequenos cursos de água que têm origem na cumeada que é o caminho entre Montalvão até à confluência do rio Sever com o rio Tejo;

A folha das Barreiras com uma légua (cerca de cinco quilómetros até ao rio Tejo) corresponde às sub-bacias da ribeira de São Simão (nasce na Tapada da Cadeirinha) e da ribeira de Ficalho - tendo muitas outras designações - desde a nascente na importante (e significativa) Tapada da Forca. Dois cursos de água afluentes do rio Tejo, fronteira entre os "Alentejos e as Beiras";

A folha dos Diagueiros (com mais uma légua até à divisão com o concelho de Castelo de Vide) corresponde à sub-bacia hidrográfica da ribeira de São João seguindo-se para Oeste a cumeada até ao antigo caminho (atualmente estrada) de Montalvão para Nisa onde esteve a Casa dos Cantoneiros;

A folha da Madalena - nome de grande simbolismo para os Cavaleiros da Ordem do Templo - com mais uma légua corresponde à sub-bacia do ribeiro de «Fevêle» até à cumeada - linha de topos que a dividia da sub-bacia da ribeira de Nisa - no antigo caminho de Montalvão para Nisa que permitiu o desenvolvimento demográfico do Pé da Serra pois estava nesta cumeada na encruzilhada Montalvão/Salavessa para a ponte de pedra sobre a ribeira de Nisa. 

Notável é que três folhas têm aproximadamente a mesma superfície e a folha das Antas também poderia ter se aquando da divisão feita pelos Templários, antes do Tratado de Alcanizes, os territórios agora de Espanha - onde se situa Casalinho/Cedilho - pertencessem a Montalvão. Como já se escreveu acerca desse tema, aqui no blogue, em 22 de agosto de 2020 (clicar).

Assim se foi fazendo Montalvão...



 

Ler Mais ►

21 dezembro 2020

Textual description of firstImageUrl

Presidenciais 2006

21 dezembro 2020 0 Comentários

MONTALVÃO VOTOU EM ANÍBAL CAVACO SILVA PARA PRESIDENTE DA REPÚBLICA TAL COMO O RESTO DO PAÍS.



Em 22 de janeiro de 2006, o candidato mais votado foi Cavaco Silva, com 111 votos, correspondendo a 33,23 por cento dos 334 votos válidos em 341 votantes. Os votos nulos e brancos, sete em 2006 - não são contabilizados nas percentagens totais nas eleições para a Presidência da República. O segundo candidato mais votado foi Jerónimo de Sousa com menos 36 votos (22,46 por cento). Manuel Alegre teve 72 votos (21,56 por cento) com todos os seis candidatos a serem votados.



Os seis candidatos tiveram origem partidária.

Garcia Pereira foi apoiado pelo Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP). Cavaco Silva apoiado pelo Partido Social Democrata (PSD), Partido do Centro Democrático Social - Partido Popular (CDS/PP). Francisco Louçã teve o apoio do Bloco de Esquerda (BE) de que foi um dos organizadores e fundadores. Manuel Alegre concorreu sem apoio partidário mas é militante do Partido Socialista (PS). Jerónimo Sousa foi apoiado pelo PCP - PEV: Partido Comunista Português e Partido Ecologista "Os Verdes". Mário Soares foi apoiado pelo Partido Socialista (PS)


O Presidente da República foi eleito com 52,95 por cento dos votos (2 746 689 votos) com Manuel Alegre em segundo lugar, com menos 1 621 612 votos, correspondendo a 20,72 por cento da votação (1 125 077 votos). Mário Soares teve a terceira maior votação: 778 781 (14,34 por cento) menos 1 967 908 de votos que Aníbal Cavaco Silva. 



Próxima "paragem": Presidenciais 2001


Ler Mais ►

19 dezembro 2020

Textual description of firstImageUrl

Vacinação e População (Parte I)

19 dezembro 2020 3 Comentários

A POPULAÇÃO DO TERRITÓRIO DE MONTALVÃO, DESDE COMENDA A CONCELHO E DEPOIS A FREGUESIA MANTEVE-SE NO MILHAR DE HABITANTES.




Ler Mais ►

18 dezembro 2020

Textual description of firstImageUrl

Presidenciais 2011

18 dezembro 2020 0 Comentários

MONTALVÃO VOTOU MAIS UMA VEZ EM SENTIDO CONTRÁRIO AO RESTO DO PAÍS.



Em 23 de janeiro de 2011, o candidato mais votado foi Manuel Alegre, com 79 votos, correspondendo a 37,98 por cento dos 208 votos em 210 votantes. Os votos nulos e brancos não são contabilizados nas percentagens totais nas eleições para a Presidência da República. O segundo candidato mais votado foi Aníbal Cavaco Silva com menos sete votos (33,75 por cento). Francisco Lopes teve 22 votos (10,58 por cento) com todos os seis candidatos a serem votados.



Dos seis candidatos houve cinco com origem partidária. Cavaco Silva apoiado pelo Partido Social Democrata (PSD), Partido do Centro Democrático Social - Partido Popular (CDS/PP) e Movimento Esperança Portugal (MEP) existente entre 23 de julho de 2008 e 12 de dezembro de 2012. Defensor de Moura era um militante e deputado do Partido Socialista (PS) concorrendo como independente. Francisco Lopes foi apoiado pelo PCP - PEV: Partido Comunista Português e Partido Ecologista "Os Verdes". José Coelho era um deputado do PND-Madeira, da Região Autónoma da Madeira, apoiado pelo Partido Nova Democracia. Manuel Alegre foi apoiado pelo Partido Socialista (PS), Bloco de Esquerda (BE) e Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP). Fernando Nobre era um candidato independente, médico e presidente da AMI: Assistência Médica Internacional.

O Presidente da República foi reeleito com 52,95 por cento dos votos (2 231 603 votos) com Manuel Alegre em segundo lugar, com menos 1 398 966 votos, correspondendo a 19,76 por cento da votação. Fernando Nobre teve a terceira maior votação: 594 068 (14,1 por cento). 




Próxima "paragem": Presidenciais 2006


Ler Mais ►

12 dezembro 2020

Textual description of firstImageUrl

Os Bens Paroquiais de Montalvão em 1911

12 dezembro 2020 2 Comentários

EM MONTALVÃO TAMBÉM SE CUMPRIU A LEI DE SEPARAÇÃO DO ESTADO DAS IGREJAS.


Ler Mais ►

11 dezembro 2020

Textual description of firstImageUrl

Presidenciais 2016

11 dezembro 2020 0 Comentários

EM MONTALVÃO MANDAM OS QUE LÁ ESTÃO.



É adágio transmontano (Marão) mas aplica-se em Montalvão em termos eleitorais. Nas últimas Eleições Presidenciais - que depois de 24 de janeiro de 2021 - serão as penúltimas venceu Sampaio da Nóvoa com 62 votantes (37 por cento) mais três votos que Marcelo Rebelo de Sousa (35 por cento). O candidato apoiado pelo Partido Comunista Português (Edgar Silva) contou com 13 votos e Marisa Matias (Bloco de Esquerda) contabilizou igual número de votos. 



Em 24 de janeiro de 2016, a taxa de participação foi de 47 por cento - votaram 171 habitantes para os 364 inscritos nos cadernos eleitorais, ou seja, 193 não exerceram o seu direito a votar. Houve ainda um voto em branco e outro nulo que em eleições presidenciais não são contabilizados em termos percentuais devido à necessidade de obter maioria absoluta (50 por cento + um voto) para as vencer e ser eleito Presidente da República.



A nível nacional venceu Marcelo Rebelo de Sousa com 52 por cento, ou seja, sem necessidade de recorrer a uma segunda volta entre os candidatos mais votados. Sampaio da Nóvoa vencedor em Montalvão (36,69 por cento) ficou em segundo lugar com 22,88 por cento).




Apesar dos votos para estas eleições não dependerem de Círculos Eleitorais Distritais tanto no Concelho de Nisa como no Distrito de Portalegre Marcelo Rebelo de Sousa foi o candidato, entre dez, mais votado.




Sampaio da Nóvoa foi tendo sempre percentagens cada vez menores há medida que âmbito administrativo, de origem geográfica, se foi alargando: Montalvão (36.69), Nisa (31.11), Portalegre (30.57) e Portugal (22.90) contabilizando 22,88 no final, com a contabilização dos votos dos emigrantes.


Próxima "paragem": Presidenciais 2011





Ler Mais ►

09 dezembro 2020

Textual description of firstImageUrl

Os Regedores

09 dezembro 2020 0 Comentários

HOUVE MAIS DE UMA DEZENA DE REGEDORES EM MAIS DE UM SÉCULO MONTALVANENSE.

A residência do Senhor Jaime, a casa de uma família montalvanense e depois a residência do Senhor José Barbeiro

Ler Mais ►

06 dezembro 2020

Textual description of firstImageUrl

Os Ricos

06 dezembro 2020 0 Comentários

OS TERRATENENTES DE MONTALVÃO MARCARAM A VIDA E EVOLUÇÃO DO TERRITÓRIO.

A


Num território tão vasto, isolado e com pouca capacidade para utilização agrícola mas dependendo quase em exclusivo da agricultura, as famílias dos «riques», modelaram o espaço e as vidas dos montalvanenses. Pelos registos de casamento, no século XIX, cerca de 80 por cento dos homens eram jornaleiros ao serviço de escassos Proprietários e Lavradores.


(clicar em cima desta e de quase todas as imagens permite melhor visualização das mesmas)



Em 1758, aquando do inquérito para avaliar os danos provocados em todo o País, pelo terramoto de 1 de novembro de 1755, aproveitando para conhecer a geografia, história e sociedade de cada paróquia, o enorme território do concelho de Montalvão estava dividido em quatro folhas. Provavelmente, ainda as mesmas aquando da formação do povoado, em final do século XIII tendo em conta que as mudanças sóciopolíticas eram lentas, mantendo-se a inércia e tradição durante séculos. Havendo mudanças, entre o século XIII e o século XVIII elas seriam residuais.

 

Para a questão colocada no questionário elaborado na Corte em Lisboa, da responsabilidade de Sebastião José de Carvalho e Melo, futuro Marquês de Pombal:


 


5. Se tem termo seu: que lugares, ou aldeas comprehende, como se chamaõ? E quantos visinhos tem?


O Pároco de Montalvão, Vigário Frei António Nunes Pestana de Mendonça, responde (texto inicial):



 5. Tem termo proprio dividido em quatro folhas - a saber Diagueiros, que tem huma legoa de comprimento para as partes de Castello de Vide = a folha de Magdalena, que tem outra legoa de comprimento para as partes de Nisa - A folha das Antas que hé a menor de todas terá três quartos de comprimento para as partes de Castella = finalmente a folha da Barreyra, que tem huma légoa para as partes da Beira, e finalisa no rio Tejo = ...... continua com a descrição e dimensão dos lugares


A rede viária e as grandes casas dos terratenentes

Há claramente dois tipos de arruamentos em Montalvão. Os do núcleo central (rua do Outeiro, Direita e do Cabo; rua da Costa, rua das Traseiras e Cabine; Praça da República)  e os dos limites de Montalvão: rua de São João, Arrabalde, rua da Barca, rua das Almas, rua do Arneiro, rua de São Pedro e Corredoura. As casas dos «riques» localizam-se nestas artérias periféricas e são as únicas que têm grandes quintais, mesmo tapadas. Isto permite estabelecer que nasceram no espaço agora ocupado por estas casas as primeiras casas das classes mais altas em Montalvão e foi nestas autênticas tapadas que depois se foram construindo as casas, provavelmente, dos seus empregados, daí nem terem quintais ou estes serem diminutos. Eram espaços cedidos nas tapadas onde estavam instaladas as casas senhoriais. 


O paradigma da utilização de uma tapada onde se fizeram dois casarões para «riques» e depois casas de habitação para famílias mais pobres dando origem ao lado nascente do Arrabalde. O senhor Leviér Rico (Olivier de Faria Morujo em «montalvanês») era irmão da esposa do senhor António Pedro, Joana Pimentel. Estes tiveram uma filha Dona Fausto Pimentel Morujo que casou com o Doutor Manuel Lopes (beirão) que tiveram uma filha, a menine Marí'Ana (Maria Ana da Graça Pimentel Lopes). O senhor Olivier casou com a Dona Manuela tendo uma filha que casou em Nisa, tendo uma catrefada de filhos, entre eles o menine Titi que foi uma das vítimas da Guerra Colonial, "primo segundo" - em 6.º grau de consanguinidade pelo Direito Civil ou 3.º pelo Direito Canónico - da menine Marí'Ana. Era assim entre todas as famílias dos «riques» montalvanenses. Outro "ramo" deu origem ao lado nascente da rua de São João, o Senhor Liviér Pobre (Olivier de Faria Pimentel por ser menos rico que o Olivier de Faria Morujo). E com um antepassado comum, o senhor...Olivier Faria, mas isto era um novelo que iria levar a três famílias, cujos varões foram capitães de D. Vasco Fernandes...

O doutor Manuel Gregório Lopes (telefone 7) era beirão casando com a filha do senhor António Pedro. O doutor Joaquim Carita Remexido (telefone 3) era nisense casando com a Dona Joaquina tendo uma filha a Dona Catarina que foi casar com o doutor Louro, na Salavessa. O Doutor Mário Relvas Fraústo foi o "único" doutor, era veterinário, descendente dos terratenentes de Montalvão, natural da Vila. Seguiu-se o Doutor Adon de Mora Pimentel (médico cirurgião, em Lisboa, com consultório na Praça António Sardinha, junto à Penha de França), filho de Olivier de Faria Pimentel e da Dona Moura, irmã do senhor José Joaquim Godinho de Moura. Sempre a "rodar" pelas mesmas famílias


A rua de São Pedro (lado norte, os atuais números pares) são casas construídas no século XX em quintais da rua do Outeiro, Direita e do Cabo. As famílias mais poderosas de Montalvão têm os seus casarões instalados nos arruamentos periféricos e não nos arruamentos centrais onde o espaço é exíguo. O crescimento faseado de Montalvão - até ao século XVI, entre este e o século XIX e no século XX - merecem um destaque à parte que será feito num destes dias num Futuro próximo. Oficialmente a rua do Arneiro denomina-se rua 5 de Outubro, a rua de São Pedro, até à antiga Escola dos Rapazes (atuais números 21 e 23) denomina-se oficialmente rua Cândido dos Reis e a rua do Outeiro denomina-se, também em termos de registo de toponímia, rua Miguel Bombarda. E é até este local pois era aqui que terminava o arruamento aquando da implantação da República, em 5 de outubro de 1910. Como se sabe Miguel Bombarda é um médico herói republicano assassinado por um seu doente mental a dois dias da Implantação da República pela qual ele tanto lutou.


O médico psiquiatra Miguel Bombarda em 1907. Seria assassinado no seu gabinete no Hospital de Rilhafoles, atual Miguel Bombarda, destinado a deter alienados, indigentes e curar doentes mentais

   

Os «riques» marcaram a sociedade montalvanense durante séculos tendo, devido ao isolamento de Montalvão e ao poder que detinham no espaço, a capacidade para fazer funcionar a economia do território tal como as tradições e a administração. Uma localidade com centenas de jornaleiros que eram empregados dos terratenentes que dominavam o território montalvanense, lhes moldavam a vida em trabalho, proporcionavam os dias festivos, geriam conflitos e interesses, garantindo os rituais religiosos e proporcionando o desenvolvimento do povoado. Os “resquícios das amarras feudais”, em Montalvão, chegaram até meados do século XX. A população libertou-se da pobreza e servidão quando emigrou para os países da Europa Central, América do Norte e Área Metropolitana de Lisboa. 

 


Os “Ricos” mantinham o domínio territorial em grandes propriedades que o sistema de casamento entre estas famílias permitia acautelar. Com o advento do Liberalismo no século XIX e com mais intensidade no século XX, com a implantação da República, houve “libertação de terras” devido à necessidade de pagar dívidas. Por vezes os “Ricos” deixavam escapar terrenos agrícolas do seu controle ao cederem propriedades a filhos nascidos fora do casamento, geralmente de criadas das suas casas senhoriais. É raro o ano em que não há batismo de filhos de pais incógnitos, como este exemplo:

 


Nem todos filhos de pai incógnito, eram de criadas e de algum membro de uma família para a qual serviam, como é evidente. Mas quando havia nem sempre eram aperfilhados no batizado. Por vezes, quando eram mais crescidos, pelo casamento e alguns nunca o foram. Dependia da vontade, sentido de responsabilidade e circunstâncias do pai. A vida terá fundamentalmente de ser entendida que a tomada de decisões tem sido sempre e continuará a ser em função de muitas variáveis. Parafraseando o filósofo espanhol Ortega y Gasset (1833/1955) o ser humano vive e decide conforme o meio que o rodeia e condiciona. «O Homem é o resultado dele e a sua circunstância».

 

Quando o filho era do sexo masculino recebiam do pai (que sabia que era filho dele, aperfilhando-o ou não) terras e parelhas, poderia ser almocreve, para que não fosse jornaleiro e servo ao serviço de outra família de ricos que muitas vezes até eram familiares, tios e primos, pois as famílias de ricos alinhavam-se por meia dúzia de apelidos: Faria Leal, Fraústo, Morujo, Moura, Pimentel e Relvas, por exemplo. E casavam entre eles. Ter um filho a ser empregado de um primo ou tio, condenado à pobreza, fazia muitos “Ricos” darem bens aos seus filhos nascidos fora do casamento. Houve muita propriedade agrícola que foi “desanexada” dos bens das mais poderosas famílias montalvanenses por este motivo, retalhando algumas extensas “Tapadas”. 


Ter uma parelha de muares garantia poder fazer fretes como almocreve ou cultivar os seus terrenos com hectares apreciáveis. Alguns eram filhos de «riques» e criadas, ou seja fora dos casamentos, outros não, pois herdavam bens dos seus pais ou adquiriam durante uma vida de trabalho


Como eram poucas famílias terratenentes e casavam entre eles é evidente que mais geração, menos geração estariam condenados a desaparecer. Houve alguns casamentos entre famílias ricas de Montalvão e da Salavessa, depois também do Pé da Serra quando este Monte se transforma em Aldeia, sede de freguesia. Até com famílias de Nisa, Castelo de Vide e outras localidades, mas sempre exceções à regra até ao século XIX. Em meados do século XX o declínio da generalidade das famílias poderosas de Montalvão é já inevitável, com a agravante de convergir com alterações profundas nas técnicas agrárias (o modo como se fazia agricultura) devido à falta de mão de obra e necessidade de mecanizar a agricultura. As últimas gerações, a de final do século passado, na generalidade (pois há e haverá sempre exceções) são incapazes de tomar decisões para garantir a continuação (com sustentabilidade) das famílias ricas tradicionais. Foi o seu fim. Como dizia o meu avô materno: «Não lhes auguro nada de bom». E teve razão embora já não visse que tinha…


O Lagar do senhor António Pedro, no Pé da Serra. Vivendo em Montalvão tinha vastas propriedades na freguesia do Espírito Santo (Nisa) e de São Simão (Pé da Serra) depois herdadas pelo seu genro, senhor António Tremoceiro, casado com a sua filha, D. Loura

Uma das famílias mais interessantes de perceber como tudo, ou muito, se passou é a família Louro. Teve de tudo. O senhor António Louro, nascido no Pé da Serra numa das famílias mais ricas, casou em Montalvão e para Montalvão foi viver. Mas a sua avó materna era de Montalvão, casando com um filho de um Lavrador que teve uma filha que foi casar ao Pé da Serra com o pai do senhor António Louro, o senhor Francisco Louro. 



O senhor António Louro é figura grata em Montalvão – regressou à localidade da sua avó materna, em 1889 – e vai ser ele que em 1911 fará, o arrolamento dos bens do Clero existentes em Montalvão, para fazer cumprir a "Lei de Separação do Estado das Igrejas" (20 de abril de 1911), após a implantação da República, em 5 de outubro de 1910. Mas isso fica para um dia destes. Quer enaltecer o senhor António Louro, quer publicar o impressionante inventário de bens da Igreja que existia na Paróquia de Montalvão no início da segunda década do século XX.



Assim se foi fazendo (e desfazendo) Montalvão


Ler Mais ►

05 dezembro 2020

Textual description of firstImageUrl

Manoel Godinho 387

05 dezembro 2020 0 Comentários
HÁ 387 ANOS NASCEU EM MONTALVÃO MANUEL GODINHO.



Que foi importante padre entre final do século XVII e início de XVIII. E ainda é um dos mais importantes escritores portugueses desse tempo e como escritor de viagens de todos os tempos.



Em 1 de agosto de 2019 já se fez uma pequena biografia deste ilustre montalvanense (clicar) daí não fazer sentido repetir o que ficou escrito. Apenas uma nota para dizer que dificilmente não está correto aceitar-se a data de 5 de dezembro de 1633 como a mais certa. Porque há um documento emitido com essa data aquando do seu falecimento que se publica mais uma vez. O ano de 1630 deve resultar de alguns contemporâneos do Padre Manuel Godinho, ou estudiosos que se seguiram pouco depois do seu falecimento, se referirem a ele como tendo nascido nos anos de 1630, mas estes vão de 1630 a 1639.



Então vamos ao que ficou prometido, nesse texto publicado em 1 de agosto de 2019, pois o prometido é devido:



A primeira edição, em 1665, apenas dois anos depois da viagem que lhe serve de inspiração (1663) causou impacte pelas circunstâncias da viagem e pormenor nas descrições nos leitores. Eis a capa do livro bem como a apresentação (a digitalização publicada corresponde ao excerto final) feita pelo Padre Manuel Godinho, escrita em 2 de outubro de 1665.



Há notícia, de pelo menos, sete críticas ou considerações acerca do livro, como foi recebido entre os leitores e estimado entre os letrados desse tempo. Eis três exemplos:






Há relatos escritos que devido a estar esgotado atingia preços elevados nos alfarrabistas da cidade de Lisboa e do Porto, por isso foi feita uma outra edição 177 anos depois.



A segunda edição, em 1842, contém um prefácio do editor com notas biográficas e bibliográficas relevantes e uma apreciação crítica à obra (é este excerto que se publica).




Esta segunda edição já teve inúmeras críticas - encontram-se mais de duas dezenas - das quais se destacam as duas seguintes:




A terceira edição, em 1944, 102 anos depois da segunda.



A obra continuou a "surpreender" os mais conceituados investigadores nacionais, 279 anos depois de ter sido editada pela primeira vez. Mais três opiniões das catorze que, pelo menos existem, mas devem ser muito mais. 







A quarta edição, em 1974, trinta anos depois da última (309 depois da primeira, em 1665) é a... última. Não seria mal pensado em 2024, fazer uma quinta. Decorreriam 50 anos depois da 4.ª edição e 312 anos depois do falecimento do Padre Manuel Godinho. 

 
Duas opiniões em nove conhecidas depois desta última edição, em 1974:




Críticas relevantes, desde 1793 a 1985, acerca da obra principal e fundamental. O resto da sua bibliografia são conjuntos de sermões e pouco mais.

Enquanto este blogue existir continuará a divulgar a excelência desta obra de referência, da literatura de viagens, no panorama das letras portugueses, bem como do seu autor montalvanense. Não faltarão datas e efemérides que darão pretexto para tal.

Entretanto, os dois dados biográficos que mesmo repetindo o que já foi publicado, em 1 de agosto deste ano, tem que se ter em conta. O primeiro e o último!


Em 5 de dezembro de 1633, nasceu em Montalvão e certamente foi batizado nesta Igreja Matriz.



Em 25 de fevereiro de 1712, faleceu e foi sepultado na Igreja Matriz de Loures.


Quanto ao Padre Manuel Godinho será cumprida mais um "promessa", em 25 de fevereiro de 2021. Até lá!
Ler Mais ►