Páginas

27 fevereiro 2019

Textual description of firstImageUrl

A Herdade da Açafa (1197 - 1199) Parte II

27 fevereiro 2019 + 0 Comentários
O TEXTO DA «DOAÇÃO DA HERDADE DA AÇAFA» É EXPLICITO.


Os cavaleiros da Ordem do Templo e o seu domínio na Açafa vão ser importantes para a consolidação de Portugal, pois enquanto afastavam os sarracenos, dos almorávidas aos almóadas, para Sul, estancaram o poder do Reino de Leão (depois anexado, em 1230, ao reino de Castela) em envolver Portugal tomando-lhe o Sul.




A «Doação da Açafa» ocorreu em 5 de julho de 1199. Um território vasto em espaço, limitado em povoamento e bem delimitado pelas linhas de águas ou talvegues (rios e ribeiras) e as linhas de festos ou altitudes (cabeços ou cimos), ou seja, fronteiras naturais. Como ainda na actualidade entre regiões e países.




EM nome de Deus. Como na verdade o costume tenha força de lei e por autoridade da lei conhecemos as acções dos Reis e Príncipes que se devem perpetuar as escrituras porque assim perpetuadas não se perdem da memória dos homens, e estejam presentes a todas as coisas que muitos anos antes passarão. Portanto, Eu D. Sancho pela graça de Deus, Rei de Portugal juntamente com meu Filho El-Rei D. Afonso, e com os outros meus Filhos, e Filhas, faço carta a vós D. Lopo Fernandes Mestre da Milícia do Templo em nosso Reino, e a vossos Freires assim presentes como futuros de Açafa, o qual lugar vos damos, e a todos vossos sucessores por direito hereditário para sempre; e isto faço por Deus, e pelo bom serviço, que temos recebido de vós, e de todos os Cavaleiros da Milícia do Templo, e cada dia recebemos; e pelas Igrejas do Mogadouro e Penas-Ruivas, as quais nos destes bem paramentadas de tudo quanto pertence ao culto Eclesiástico. Cujos termos da Açafa são estes. Parte com Belver como entra a água do rio Ocreza no rio Tejo, e como ou donde entra a água da ribeira de Pracana no rio Ocreza e dali como vai a água da ribeira de Pracana a caminho de Idanha no Cabeço de Seixo, e dali aonde entra a água da ribeira de Seixo na ribeira de Bostelim, daqui a fonte da ribeira de Carvalho, dali ao Recefe Mourisco como entra na corrente da ribeira de Isna, dali o cabeço que está entre da ribeira de Isna e a ribeira de Tamolha aos Pardineiros Velhos, dali pela grande serra que está entre a ribeira de Isna e a ribeira de Tamolha; dali desce à foz da ribeira de Oleiros e da foz ribeira de Oleiros à estrada de Covilhã à foz da ribeira de Cambas, dali ao cabeço de Moncaval; dali ao cabeço de Asina como vai para a ribeira de Alpreada que fica no termo de Idanha.  Parte também de Idanha ao rio Tejo até ao rio Ponsul; dali ao cabeço de Mercoles como vai ao cabeço da Cardosa. Parte também além do rio Tejo pela foz da ribeira de Figueiró como entra no rio Tejo dali defronte de Melriça (Cabeço de Vide) e corre a Mongaret (Serra de São Mamede), dali a Cimalha da água da ribeira de Avid, dali ao Castelo de Terron como caminho ao Mosteiro de Alpalandro, e dali ao Semedeiro de Benfaian, dali ao Porto de Mula do rio Salor como correm as águas para o rio Tejo.  Damos por isso a vós e à vossa Ordem o sobredito lugar por direito hereditário pelo amor de Deus, pelas sobreditas Igrejas que acima nomeamos, e a vós concedemos que povoeis o tal lugar do melhor modo que puderes; e termos por certo e valioso que se governem os moradores dele livremente pelo Foral, que por vós lhes for dado; e aqueles que herdares no tal lugar fiquem herdados. Vós porém sereis obrigados a receber-nos no tal lugar, e a todos os que de nossa geração nos sucederem como Reis, e Senhores vossos todas as vezes, que a eles quisermos ir. Portanto todo aquele, que esta nossa Carta vos guardar inteiramente, e a todos os vossos sucessores seja bendito do Senhor. Assim seja. E aquele que presumir, tentar quebrá-lo ou diminuí-lo seja maldito e tudo o que fizer seja errado e sem valor. Foi esta Carta feita em Covilhã, no quinto dia do mês de Julho da Era de mil duzentos trinta e sete. Nós os Reis que esta Carta mandamos fazer a certificamos em presença dos abaixo assinados nela, e fizemos estes sinais -----I-----I-----I----- Os que presentes se acharam &c. D. Gonsalo Mendo Mordomo da Curia. Conf. / D. Paio Monis Alfers Mor. Conf. / D. Raimundo Paio Governador de Covilham. Conf. / Martim Lopes Trancozo. Conf. / D. Lourenço Soares Lamego. Conf. / Egas Affonso Alafone. Conf. / D. João Fernandes Trinchante mor. Conf. / Martim Arcebispo de Braga. Conf. / Martins Bispo do Porto. Conf. / Pedro Bispo de Lamego. Conf. / Nicolau Bispo de Vizeu. Conf. / Pedro Bispo de Coimbra. Conf. / Soares Bispo de Lisboa. Conf. / Paio Bispo de Ebora. Conf. / D. Osorio.test./  Rodrigues Pedro. test. / Pedro Nunes. test. / Soeiro Soares. test. / Fernando Nunes. test.



Uma região inóspita, quente e seca, imprópria para fixar populações em número demográfico elevado por falta de condições agrícolas baseadas no Linho (tecidos e vestuário), Porco (enchidos/carne para todo o ano), Cabras (calçado e apetrechos, leite e queijos ou carne fresca), Caça, Asnos (transporte e trabalho), Oliveira (fruto, madeira e azeite), Sobreiro (lande/comida para porcos, madeira para queimar e cortiça), Vinha (uvas e vinho), Azinheira (bolota alimento humano e madeira para construção), Xaras (lenha) e o cereal possível.  Longos estios com escassez de água que mal conseguia matar a sede aos humanos durante quatro/cinco meses em doze. Uma região assolada por ser confluência de três fronteiras: portugueses, leoneses e povos islamizados. Objectivo: Os Templários cristianizarem, povoarem e conseguirem manter o Reino de Portugal com dimensão suficiente impedindo o Reino de Leão de o transformar numa bolsa condenada a perder a independência. Povoar, lutar contra o Islão e marcar presença junto dos leoneses empurrando-os para o centro da Ibéria onde estavam os castelhanos.

Próxima paragem em 1212: O contributo da Açafa para a decisiva batalha de "Navas de Tolosa"
Ler Mais ►

26 fevereiro 2019

Textual description of firstImageUrl

A Herdade da Açafa (1197 - 1199) Parte I

26 fevereiro 2019 + 0 Comentários
CONDICIONA A EXISTÊNCIA DE MONTALVÃO.




Em plena Reconquista Cristã para retirar território aos sarracenos (e fazer de um pequeno condado uma nação valente) os Reis de Portugal com o seu séquito conquistavam para Sul mas para o interior Leste as dificuldades eram maiores em tomar posse dos mesmos, ou seja, impor os valores do Cristianismo e o poder de Portugal. 

O litoral foi mais fácil de reconquistar aos mouros e povos islamizados pois contavam com a ajuda dos «Cruzados» do norte da Europa que ao rumar à Palestina passavam junto da costa ocidental da Europa.



A reconquista do interior apresentava problemas de resolução difícil. Terrenos pouco povoados, inóspitos, pobres, sem recursos alimentares onde se passava mas não se ficava. Além disso para Sul «caminhavam a pelejar para acrescentar território», pelo menos, três Reinos cristãos - Portugal, Leão e Castela - em busca de mais espaço para não só estabilizar (por pacificação) o que já estava conquistado a Norte, facilitando a fixação de população, mas para ir alargando território. O Reino de Portugal ainda se deparava com a sua idiossincrasia. Só podia pensar em conquistar para Sul e Leste pois a Oeste tinha o Mar. Para Sul mais facilidades que os dois outros Reinos cristãos na reconquista do território (devido ao litoral) mais dificuldade em chegar primeiro pelo interior, disputado "palmo-a-palmo" com o reino de Leão.   

Território vasto pouco povoado ainda com reminiscências romanas. Grandes propriedades dominadas por culturas de sequeiro aproveitando as poucas ribeiras de caudal ao ritmo das chuvadas para algum regadio. Vida difícil no solo esquelético, seco e quente, de pasto ralo, com sementeiras e colheitas suportadas por trabalhadores rurais a viver agrupados em "Montes" onde faziam as suas vidas e pouco mais conheciam que os limites dessas herdades vastas, dolorosas e inóspitas.


Com os conflitos entre os valores do Alcorão implantados nos gentios e a passagem de cavaleiros cristãos a tentar expulsar os povos islamizados gerou-se em territórios vastos e pouco povoados a necessidade de habitar locais altaneiros que permitissem observar a chegada e a partida desses cavaleiros que vinham para se impor. 




O Primeiro Soberano (D. Afonso Henriques que reinou até 6 de Dezembro de 1185) começou por doar à Ordem de Santiago, em 1172, um vasto território a Sul do castelo de Monsanto e a Leste do castelo de Abrantes sem fim, a não ser o que os cavaleiros às ordens do Conde de Sarriá, D. Rodrigo, conseguissem ocupar. Não parece que tenha havido sucesso territorial conquistado mas houve conhecimento adquirido pois D. Sancho I (que reinou entre 6 de Dezembro de 1185 e 26 de Março de 1211) pode ser mais preciso e conciso nas doações que fez para expulsar o poder islamizado, ocupar os territórios e alargar o Reino instaurado pelo seu pai. Em 1197, confirmou a doação à Ordem do Templo dos territórios da Idanha (a Sul do castelo de Monsanto) e no ano seguinte (1198 ou 1199) a vasta Herdade da Açafa (a Leste do castelo de Abrantes). E nesta havia já fronteiras bem definidas e lugares de referência para que o território a ocupar e defender fosse efectivo e delimitado.

O ano de 1199 é o que mais se adequa à doação, em 5 de julho de 1199,  visto ser Mestre da Ordem do Templo o cavaleiro português D. Lopo Fernandes (citado no documento de doação) que morreu em combate junto de D. Sancho I, em Agosto de 1199, na tentativa de conquista da praça de Cidade Rodrigo ao Reino de Leão. Uma guerra entre Portugal (D. Sancho I) e Leão (D. Afonso IX) com Castela (Afonso VIII) à espreita, para definir a vanguarda da luta contra o Islão. Com o Reino de Leão a envolver o Reino de Portugal a expansão a Leste ficava comprometida a Norte do rio Tejo com a consciência que o território não passaria de uma estreita faixa entre leoneses e o oceânico mar atlântico. Havia que garantir alargamento a Sul do Tejo onde quem mais sucesso tivesse frente aos sarracenos mais território conseguiria. Infelizmente o 7.º Mestre da Ordem do Templo, D. Lopo Fernandes teve mestrado breve (1195/1197) quando dele muito se esperava.   

  

Pouco tempo antes de morrer em Cidade Rodrigo, D. Lopo Fernandes, recebeu de D. Sancho I a responsabilidade de "cristianizar" (derrotar, pacificar e povoar) um território vasto bem definido nos limites e com os locais habitados discriminados e enumerados. Fica o texto da «Doação da Azafa/Açafa» para quem souber latim. Para amanhã (ou um dia destes) a apreciação aos topónimos que constam da doação. Este território contém o actual Montalvão que não sendo descrito, não passaria, em 1199, de um Monte Ermo.  




Continua em breve neste blogue...
Ler Mais ►

22 fevereiro 2019

Textual description of firstImageUrl

Rifões Certeiros à Montalvão

22 fevereiro 2019 + 0 Comentários
TROVOADAS DE MARVÃO NUNCA FALTARAM EM MONTALVÃO!



São como as vacas do senõr Insébio a lavrar sem chocalho!

(Ir para uma festa ou cerimónia mal ataviado/vestido)

É uma jangada à Ti Meguens.

(Fazer algo mal feito que se desfaz com pouco)

Parecem as comédias do señor Costa!

(Fazer de algo sério uma fantochada)

É como a Chá Machada. Ela os põ, ela os tira!

(Quem dá de má vontade também pode tirar)

Boas como as cadeirinhas do Bento!

(Quem valorizava o que não prestava)

Olhem batatas da Marí Lambona!

(Andar com roupa esburacada ou grosseiramente remendada)

São como as vacas do senõr Jaquim!

(Pensar que está bem vestido e passar por desarranjado)

Hora-e-meia, Jã Fernandes!

(Medir mal o tempo)
Ler Mais ►

20 fevereiro 2019

Textual description of firstImageUrl

Dicionário Montalvanês - Português II

20 fevereiro 2019 + 0 Comentários
A TELEVISÃO E AGORA A INTERNET VÃO ACABANDO COM A NOSSA LÍNGUA. O MODO DE SÓ NÓS NOS ENTENDERMOS ENTRE NÓS.



Aqui fica a segunda leva. Uma região que já não é bem o Alentejo, mas ainda não é Beira Baixa, nem é Espanha. Mas é quase tudo. É Montalvão. E chega! 

A

Árvéla - Desajeitado. «És cá uma árvéla.»

B

Bôvaiela - Preguiça. Boa-vida. «Anda sempre na bôvaiela.»

C

Chãs - Propriedades rurais à volta da aldeia. «Vai lá ao tchan pêár o burro!»

D

Drindinas - Birra. «Já acâbéste as drindinas?!» 

E

Estarambeque (Sôro do leite que sobra quando se fazem os queijos): Zâmbana (em Póvoa e Meadas), Almece (Baixo Alentejo), Atabefe (Alto Alentejo) ou Travia/Trevia (Beira Baixa). «Tá bô este estarambéque»


F

Férra - Pequena pá de lata para recolher o lixo. «Vai busqué a férra.»

G

Gráve - Moderno. «Olhér. Hoje vem gráve!» (com roupa nova/diferente da usada na aldeia). «Já fála à gráve!» (utilização de termos/palavras que não se usam na aldeia)

I

Infuisa - Recipiente para líquidos. «Leva a infuisa de bouibêr o lête.» 

J

Em breve neste blogue.

L

Lâmpônas - Opiniões. «Tá sempre a largar lâmpônas.»

M

Mufêdu - Amontoado de lixo. «Com a férra limpa aquele mufêdu.»

N

Nhénhínhâ - Atrapalhado. «Que nhénhínhâ!»

O

Órtegôns - Urtigas. «Já te pegaste nus órtegôns, paparou!»

P

Pêar - Colocar uma corda entre as duas patas dos animais (burros, ovelhas, cabras) para não correrem. Nos burros podem ser correntes com elos de aço. «Pêa o animal para nã fugir.»

Q

Quintu - Da mesma idade. «Um dia vã todos às sortes.» (inspecção militar)

R

Rispêde - Amargo. «Ainda stá rispêde.»

S

Sarâpantádu - Atordoado. «Essa cabóiça sempre sarâpantádâ.»

T

Teixtu - Tampa. «Nã te esqueças do teixtu da bilha d'água.» 

U

Urra - Invenção para fazer barulho na noite de Natal com uma bilha, uma pele e um pau. «Fazes tu d' urra hoje?!»

V

Vêládus - Terrenos fracos por serem secos. «Nã dá nada quêle vêládu.»

X 


Ximbarilho - Suporte para esventrar o porco na matança. «Tá já o pôrque no tchimbarilho.»

Z 


Zabumba - Tonto. «Já tá zabumba!»


Como é óbvio numa língua normal como é o montalvanês não cabem no nosso "abecedário da Vila" essas excentricidades do agá (H), kapa (K), dâbleiú (W) e ypsílon (Y)!
Ler Mais ►

10 fevereiro 2019

Textual description of firstImageUrl

Ao Lume Com o Ti Zé Caratana I

10 fevereiro 2019 + 0 Comentários
QUE É COMO SE DIZ ESTAR À LAREIRA EM MONTALVANÊS.



Foram tempos bem passados. Primeiro na casa da Rua das Almas (onde nasci). Depois na da Rua de São Pedro (onde passava as Férias Grandes mesmo grandes, de meados de Junho a início de Outubro). O Ti Zé Caratana ou JAL (como ele gravava no xisto das propriedades) nas divisórias para não "ter trabalhos". Passar o dia no «Lagar» (ex-lagar de azeite da aldeia depois oficina de carpinteiro na Rua das Almas). Ou andar em cima do trilho de madeira na eira da «Tapada do Pontão». Ou não conseguir beber a água salobra cheia de aranhiços no pocinho da «Fonte Cereja». Ou ir apanhar uvas na «Cerejeira» e roubar uma romã. Ou ir ao «Lamaceiro» ripar o grão-de-bico. Ou ir passar o dia na «Charneca» entre medronheiros e figueiras da índia com uma boa nascente para alimentar os dois socalcos com horta. Ou ir à «Nave-Cravis» com aquele palheiro típico que dava para duas propriedades distintas. Ou ir ao «Monte Pombo» ver o pinheiro manso e meia dúzia de sobreiros. As oliveiras eram comuns a todas as propriedades. No total uns seis hectares. Quase metade na «Tapada do Pontão» dividida em quatro: eira, cova, mina e última. O Ti Zé Caratana tinha dois burros que já não sou do tempo da égua. O meu burro era o «Redondo». O burro mais bonito da Vila. Até pensos rápidos aquele burro teve por causa das feridas e dos inoportunos mosquitos, melgas, moscas, varejeiras e moscardos que se aproveitavam das fragilidades do asno. Quem não ia muito em graça com gastar pensos rápidos em burros por ser "atitude burra" era a avó Ana da... Graça.

Mas o melhor eram os enchidos quando ainda estavam crus no fumeiro do lume, lá na cozinha dos primeiros pisos. Distinguir uma linguiça de um chouriço é que era o diabo para quem não sabia. Lá as horrorosas morcelas e farinheiras sonsas eram fáceis de identificar. Longe! 

Mais as cacholeiras e os mouros. Tudo no fumeiro. O toucinho estava condenado ao saleiro.

Bom, bom era o Lombo, o Paio, a Bexiga, o Painassedisso, o Buxo e o Guarda-fumeiro. O presunto era caso à parte e estava atafulhado em sal. À minha vontade o porco só dava destes petiscos. 

Ainda fresca de vez em quando tombava do céu da chaminé uma gota de unto. A carne estava a curar-se. Já vi médicos menos atenciosos para com as carnes.

O avô Zé Caratana era uma enciclopédia. E gostava de se rir dos netos que estudavam na cidade mas que não "pescavam" adivinhas montalvanenses.

1. Sou frio, também sou quente,
Sou fraco, também sou forte,
Nunca posso estar parado.
Vejam lá a minha sorte!

2. Qual é coisa, qual é ela?
Assobia sem boca
E corre sem pés, 
Bate na cara
E não vês?

3. Qual é coisa, qual é ela?
Que se põe na mesa
Corta-se e não é para comer?

4. Adivinhar, adivinhar
Qual é a coisa primeira
Que se faz ao acordar?

5. Qual é coisa, qual é ela?
Que quanto maior é
Mais perto fica do chão?



Quando acabavam as adivinhas ou histórias e começavam os provérbios é que tudo começava a andar para trás porque invariavelmente acabava no mesmo de sempre. Sempre

1. A aranha vive do que tece;

2. Bem rico é quem nada deve;

3. Cada macaco no seu galho;

4. De boas intenções está o Inferno cheio;

5. Deitar cedo, cedo erguer, dá saúde e faz crescer.

Tempos que já foram mas que ainda são (ou não estivesse a escrever acerca deles)


Ler Mais ►

07 fevereiro 2019

Textual description of firstImageUrl

Montalvão Antes da Nacionalidade (1140)

07 fevereiro 2019 + 0 Comentários
A UTILIZAÇÃO DO TERRITÓRIO ONDE SE INSTALOU O CONCELHO (AGORA FREGUESIA) DE MONTALVÃO TEVE OCUPAÇÃO PRECOCE MERCÊ DA CONFLUÊNCIA DE DOIS IMPORTANTES RIOS, O TEJO E O SEVER.



Abundam vestígios pré-históricos com «Antas e Dolmenes», vários muito próximos de locais onde existiam fontes, chafarizes e nascentes de água que durante séculos sustentaram a aldeia de água potável até ser construído o depósito, em 1961, nas "barbas" do Castelo para abastecer a aldeia e levar água canalizada de casa de cada um. Também nos leitos dos rios Tejo e Sever há inscrições paleolíticas rupestres nas rochas de xisto desses cursos de água com motivos do dia-a-dia (desenhos de animais e plantas, até de aspecto humano, ou seja, antropomórficos) além de cultos à Natureza (Sol, Lua, Estrelas e outros fenómenos astrais) que marcavam o ritmo diário, semanal e anual, de toda uma vida dessas pequenas comunidades que deviam ter pouco contacto entre elas e ocupavam o território episodicamente ao sabor das necessidades num tempo em que a mortalidade elevada e a natalidade problemática faziam com que as comunidades humanas fossem mais nómadas que sedentárias vivendo da Natureza. Temporariamente (por isso) pouco sedentárias.

 VESTÍGIOS PRÉ-HISTÓRICOS NO CONCELHO DE NISA

Um tema interessante historicamente ou pré-historicamente falando mas que não é do âmbito do que se quer para este blogue que não visa historiar Montalvão desde o início dos Tempos. Simplesmente porque não existia como aglomerado populacional. Existiam seres humanos que ocupavam temporariamente um espaço adverso no tempo da «Recolecção» em clima (calor e secura) e qualidade dos terrenos para cultivo. Para agricultura, num tempo de baixa demografia, havia terras mais fáceis de trabalhar e com maior produtividade.



Há a feliz circunstância de a Sul de Montalvão as formações rochosas do Maciço Antigo terem sido generosas estabelecendo uma "fronteira geológica" onde a Sul temos granitos e a Norte os xistos. 



Foi nesta "fronteira" que os povos que as foram habitando perceberam que as plantas e animais sofriam mutações devido às mudanças do tipo de terreno que suportavam a cadeia alimentar: terrenos diferentes geram plantas de espécies diferenciadas e estas atraem determinados herbívoros que são vítimas de predadores carnívoros sem contemplações. Foi nesta «linha de demarcação geológica» que se ergueram alguns dos maiores menires da Península Ibérica.


Menir da Meada, freguesia de Póvoa e Meadas, no concelho de Castelo de Vide. Um monumento extraordinário à evolução do Ser Humano
Muitas das pedras que outrora foram postas por Seres Humanos que habitaram o espaço, esporadicamente, com intenção de demarcação, protecção ou homenagem, foram depois removidas pelos agricultores, lavradores e pastores - com natural desconhecimento da sua importância - que destruíram para seu uso individual ou colectivo aproveitando a pedra ou pedras: lajes e colunas.



O que interessa é perceber como vai nascer a localidade de Montalvão e não a existência de micro-comunidades dispersas num vasto território. Como surgiu um aglomerado populacional tão simples, ordenado e que rapidamente passou da não existência para uma das maiores aldeias do Alto Alentejo. 



Em breve o que conta 
O desejo e interesse da imberbe e mui-jovem Coroa portuguesa nestes espaços no (então) extremo da reconquista, realizada de Norte para Sul e o modo como se encontrou uma possibilidade de alargar o território pelejando muçulmanos que haviam ocupado terras outrora cristãs mas tolerantes, deixando coexistir os dois cultos.



A entrega à «Ordem dos Pobres Cavaleiros de Cristo e do Templo de Salomão» dos territórios inóspitos, pouco povoados, nas duas margens do rio Tejo, a Oeste entre o leito da ribeira de Ocreza/ ribeira de Figueira e a Leste, entre o rio Erges e o rio Salor. A "Herdade da Açafa" que em 1198 passa a fazer parte dos «Domínios Templários» para que divulgassem, povoassem, defendessem e expandissem a fé cristã em território islâmico. 



Em breve, neste blogue, todo o documento em latim da doação, em 1198, por D. Sancho I da "Herdade de Açafa" (com as principais localidades e limites) à «Ordem dos Templários» sediados em Portugal, no Convento de Cristo, em Tomar, desde 1168, depois de se transferirem de Soure doado aos "Templários", em 19 de Março de 1128, por D. Teresa e confirmado pelo seu filho... D. Afonso Henriques, em 13 de Março de 1129. Começa, em 1198, a pré-história de Montalvão quando era Mestre da Ordem do Templo, D. Lopo Fernandes. No texto de hoje escreveu-se, essencialmente, acerca da pré-história do povoamento, episódico, no território onde um dia se instalou o concelho (mais tarde freguesia) de Montalvão. No próximo texto escrever-se-à acerca da "Herdade da Açafa" num vasto espaço, onde mais tarde é fundada uma localidade que nascendo do nada parece ser tudo!  
Ler Mais ►

05 fevereiro 2019

Textual description of firstImageUrl

Trocar os És Pelos Ês

05 fevereiro 2019 + 0 Comentários
AQUELA PRONÚNCIA NO NORTE DO ALTO ALENTEJO QUE JÁ É O NORTE DO ALENTEJO.



Infelizmente vai-se perdendo a pronúncia típica de uma região muito específica, entre o Norte do Alto Alentejo, o Sul da Beira Baixa e a raia espanhola que durante muitos anos era quase um enclave espanhol em Portugal reminiscência da "Herdade da Açafa" criada antes do ano de 1200  que em breve merecerá o devido destaque neste blogue.

Há palavras e o modo de dizê-las. Em Montalvão um simples "Dói-me a cabeça" diz-se "dói-me a cabôiça". "Piquéste-te nús úrtegans" é simplesmente "Picaste-te nas urtigas! "Amassé pã nu algudé pra finté" é apenas "Amassar pão no alguidar para levedar"!

 Para recordar os pregões (os perdidos e achados à moda antiga) ou modos de avisar e relembrar (clicar).  

Inconfundível
Ler Mais ►