Páginas

01 abril 2021

Textual description of firstImageUrl

Semana Santa III

01 abril 2021 + 0 Comentários
QUINTA-FEIRA SANTA.



Em Montalvão, o dia era de preparação para a noite coincidindo a «Procissão de Quinta-feira Santa» com a «Última Ceia». Os sinos estavam silenciados na Semana Santa por isso os toques das matinas, meio-dia e trindades eram dados pelo toque da «Matraca», que percorria as ruas e ruinhas da aldeia, manejada pelo marido da hospitaleira vestido com uma opa preta.  


Uma "Matraca" da Semana Santa

Na noite de Quinta-feira Santa era dentro da Igreja Matriz que se executava o hábito que estava instituído desde Sábado de Ramos até Quarta-feira de Trevas (ver Semana Santa II). Os rapazes («catchôpos», em montalvanês) juntavam-se dentro da Igreja Matriz, com um martelo de madeira ou de um troço de madeira que fizesse de martelo. Esperavam o bater das Trevas para iniciar o "marteladêre" na cadência dos seguintes versos que entoavam como lengalenga (em montalvanês mas que é difícil reproduzir na totalidade por isso aqui ficam em português):

Trevas, trevas, mulheres velhas,
Trevas, trevas, mulheres novas,
Truco, truco, maceirão,
Pelas cordas de cordovão.
O palhaço da cozinha
Quantos dedos terá em cima,
Um, dois, três,
Por aqui passou um inglês,
Pelas barbas de Diana,
Com uma gaita castelhana,
Pio, pio, repipio,
Onde estão os vinte e três,
Um, dois, três


Muitos deles aproveitavam a ocasião para pregarem no sobrado da igreja, com pregos que levavam nos bolsos, as saias das mulheres e raparigas, que nesse tempo as usavam compridas. Elas ao erguerem-se ficavam presas ou rasgavam as longas saias no repuxão. As palavras que este atentado  provocava, quer individualmente, quer à crença sentida estando a honrar Cristo, estavam longe de serem próprias do lugar.


Quando o chão da Igreja Matriz ainda era de madeira

A Procissão de «Quinta-feira Santa» era organizada e custeada pela Irmandade da Misericórdia, que, igualmente pagava o sermão. Na sacristia da Igreja da Misericórdia (clicar), o "consistório" (reunião de todos os Irmãos) ao escurecer do dia, esperavam o pároco que na procissão havia de conduzir o pesado crucifixo, propriedade da Igreja da Misericórdia. Por este serviço, a Irmandade pagava-lhe a quantia de 12 escudos ou 1.200 réis, "um quartinho". A Procissão era organizada da seguinte forma:

1. À frente, abrindo a marcha ia a «Matraca» tocada pelo marido da hospitaleira, a empregada do hospital da Misericórdia. Seguia a Bandeira da Misericórdia, erguida ao alto, conduzida por um dos Irmãos com o acompanhamento de toda a Irmandade.


O "Beijo traiçoeiro de Judas" depois da «Última Ceia» ao final da Quinta-feira Santa

2. Atrás ia o Pálio preto, com os lavradores «"os riques", em montalvanês» a pegar nas varas, a cobrir o Sacerdote que levava, suspenso do pescoço por uma correia em virtude do peso que tem, o Senhor da Misericórdia. Outro Sacerdote, também sob o Pálio e que seguia mais atrás, levava enrolado o Santo Sudário que seria desenrolado durante o sermão no fim da Procissão. O Povo em procissão entoava cânticos, como a «Sagrada Morte e Paixão», a «Paixão e Morte» e a imploração «Senhor Deus, misericórdia; Virgem Santa, Mãe de Deus e Mãe Nossa, Alcançai-nos de Vosso Amado Filho, misericórdia».


A prisão de Jesus Cristo depois da traição de Judas. Sexta-feira Santa seria o dia dramático com a prisão, tortura e crucificação

3.
 A Procissão terminava na Igreja da Misericórdia mas como geralmente tinha muita gente era na Igreja Matriz (uma em frente da outra) que era feito o Sermão dramático onde se desenrolava e exibia perante os fiéis o Santo-Sudário. 


A noite terminava com as pessoas na Igreja Matriz a entoar o «Terço cantado».


A Igreja da Misericórdia



A Semana Santa tinha tanta intensidade, em Montalvão, que vinham padres de paróquias vizinhas auxiliar o Sacerdote residente na sede de freguesia. O pesar era tão profundo que a Igreja Matriz não fechava portas durante três dias e havia sempre alguém dentro dela a lamentar a morte de Jesus Cristo. Alguns choravam copiosamente. Até se velava por Cristo toda a noite revezando-se os montalvanenses pelas ruas onde viviam.

Eis Montalvão cuja origem remonta ao mais puro rito do Cristianismo Templário. As atividades humanas decorriam pontuadas pelas cerimónias do Divino
0 comentários blogger

Publicar um comentário