Páginas

01 agosto 2020

Textual description of firstImageUrl

Os Louceiros

01 agosto 2020 0 Comentários
HOUVE DEZENAS DE LOUCEIROS EM SETE SÉCULOS MONTALVANENSES.


No auge demográfico e social de Montalvão no século XX (Anos 40 e 50), houve o Ti Louceiro. Sendo único não havia engano. Era aquele na rua de São Pedro. 


Habilidoso como era norma nos artesãos de Montalvão faltava-lhe a matéria-prima (barro de grande qualidade numa terra de xisto e grauvaques, saibro/cancho de xisto argiloso que era mole ou «saibre, em montalvanês» e ponedros/cascalhos) para poder ter mais atividade. Lá para a Charneca, nas vizinhanças da Salavessa, havia barro para telhas de cano, tijolo de adobe, tijolo maciço e ainda algum... para o esmerado trabalho do Ti Louceiro. Além disso o empedrado de Nisa era "concorrência desleal" embora o Ti Louceiro também fizesse louça empedrada com o cascalho branco (esmigalhado a martelo), do melhor que havia lá para o «Monte do Pombo».



(clicar em cima desta e de quase todas as imagens permite melhor visualização das mesmas)



O Ti Louceiro passava o dia a fazer essencialmente potes (cântaros sem asas) de todos os tamanhos, bem como vasos, talhas de muitos tamanhos e feitios, cantarinhas e alguidares de amassar (mas para onde também se cortava a carne de porco nas matanças). Casado mas sem descendentes e com Montalvão envelhecido e a encurtar habitantes coube-lhe ser o último louceiro de uma povoação que, certamente, os teve séculos-a-fio.



As talhas de Montalvão também eram "vasilhame para tudo e mais alguma coisa", desde azeitonas a salgadeira para o toucinho, conservavam muito e bem todo o ano.



Um louceiro montalvanense tinha sempre que fazer. 



Mas... "gatar" louça que já não ia para nova, antes pelo contrário, estava reservado aos «bufarinheiros" que escalavam Montalvão de vez em quando.




O forno do Ti Louceiro ficava num palheiro lá para a azinhaga a caminho do «Monte do Santo André». 




Era aí que terminava a obra que tinha começado num amontoado de barro avermelhado disforme e haveria de alindar parte da vida dos montalvanenses. 




A maior quantidade e variedade da louça "mais fina" era comprada numa das quatro Feiras Anuais de Nisa...



... ou ao Ti Alentejano lá do Redondo que chegava à «Vila» com um burro carregado de cântaros, porrões, barris, asados e outra louça "mais fina" mas partia mais leve. O burro que ele levava ia mais aliviado e ele com mais uns trocos nos bolsos. E convinha não partir loiça, só partir para a Salavessa ou Póvoa e Meadas.



Há a particularidade do porrão só o ser antes ou depois da rua de São João, Corredoura ou da rua do Ferro. Antes ou depois destas passavam a chamar-se piporros.



A louça era fundamental para o dia-a-dia. Todo o ano.



Fosse amassar o pão.



Fosse fazer a comida.



Fosse ir buscar água à cabeça.



Fosse ir buscar água nas «angarelas».




Fosse ter água.




Fosse o que fosse. 



Até para embelezar o lar.  

Próxima "paragem": Os Latoeiros
0 comentários blogger

Enviar um comentário