Capital Nacional do Açafrão - Montalvam

Páginas

16 fevereiro 2020

Textual description of firstImageUrl

Capital Nacional do Açafrão

16 fevereiro 2020 0 Comentários
A FREGUESIA ENTRA NO SÉCULO XXI A GANHAR.



A cultura do Açafrão tem como exigência não ter necessidade de ser exigente. Em muitas áreas da freguesia tem condições para desenvolver-se como em poucos outros locais de Portugal, até no Mundo. Com terrenos limpos, o Açafrão necessitando de solos pobres, pouca humidade, temperaturas extremas - baixas numa parte do ano (Inverno) e muito altas noutra estação (Verão) - não tem muitas outras plantas que lhe façam concorrência.



Em terrenos de Charneca - solos arenosos, porosos, onde a pouca inclinação em terrenos elevados permitem pouca retenção de humidade - o Açafrão está nas suas "Sete Quintas". Nem as Xaras e Giestas medravam naqueles terrenos, com vegetação esparsa de Sargaços e Carqueja. 



Quando se passava o dia na «Charneca do Avô Silva» (na realidade bisavô materno do lado da avó) aproveitavam-se os talhões lá em baixo com água boa, para regar legumes, onde havia também Loureiros e Abrunheiros. Na meia encosta: mais à sombra, Castanheiros; na mais solarenga, Medronheiros. De resto sargaços (em cima) e carquejas (em baixo).



Por vezes, havia idas lá para terrenos atrás dos palheiros, a umas oliveirinhas, no "Cabeço do Ouro", em areão entre ponedros e no caminho uma mina de pedra para cal. Lá do alto, junto ao mato do talefe OURO, olhava-se para a Salavessa. Entre esta e o "Cabeço do Ouro" as chamadas "Terras da Montesinha" ainda mais pobres. Até os sargaços e as carquejas pareciam de miniatura.



Pois é nestas terras semi-áridas, no deserto montalvanense, que agora florescem açafrões de encantar o Mundo. Planta de bolbo, reproduz-se como se fosse selvagem e deixa-se colher como se fosse dócil. Cultura ponderada e minuciosa (clicar). Entre raízes, bolbo (caule), folhas e flores, só desta há aproveitamento. Três estigmas por flor. 



A cultura sendo recente - primeira colheita em setembro/outubro de 2018 - deseja-se que tenha Futuro. Quer-se que haja sucesso, no «Lagar do Clavijo» (clicar).



A planta é resistente, pode ser utilizada, como flor, para embelezar jardins e vasos. Como especiaria apenas é utilizada uma ínfima parte - os três estigmas (órgão feminino da planta que retém o pólen vindo dos três estames).


A - Bolbo; III - Corola com pétalas; 1/2 - Estames; 3 - Estigmas (utilizados como especiaria)

Antes da produção na freguesia de Montalvão - já nos arrabaldes da Salavessa - foi cultivada da Beira Alta à Beira Baixa (num texto futuro será feita a história destas tentativas portuguesas de produzir açafrão de qualidade), mas sem solos adequados como os que existem em três grandes áreas da freguesia de Montalvão, compostos por arcoses (areão) e conglomerados/cascalheiras (ponedros).


(clicar em cima da imagem para obter melhor visualização)



Além de haver mais terrenos entre Montalvão e a Salavessa existem ainda condições semelhantes na Cereijeira e no Monte do Pombo. 


Adaptação da «Carta Geológica de Portugal» à freguesia de Montalvão

Não em todas essas áreas pois o declive (inclinação) tem de ser suave. O Açafrão exige pouco em termos de composição química dos solos e condições climáticas mas não pode ser cultivado em encosta. 



O açafrão pode ser importante factor de desenvolvimento agrícola numa área tão deprimida, em termos económicos com reflexos na demografia, como Montalvão.





A cultura do açafrão - se generalizada em países asiáticos, onde a qualidade é elevada - é consumida essencialmente na Europa, para confeccionar receitas de valor acrescentado devido aos custos do açafrão. São necessárias quase 200 mil flores (100 quilos de flores) para produzir um quilo da especiaria. Cada bolbo reproduz outros bolbos sendo possível um hectare (equivalente a um campo de futebol) ter 300 mil bolbos que se multiplicam por quatro, ou seja, em média desenvolverem-se plantas para uma produção de 20 quilos por ano de açafrão para utilização como especiaria rara. Os valores variam conforme s condições do terreno e do clima, daí a importância de algumas áreas da freguesia montalvanense que devem ser do melhor que existe em Portugal, comparável à Turquia e ao Irão.  



A freguesia de Montalvão tem características agrárias que podem (e devem) ser exploradas. O açafrão é uma boa possibilidade. Como os pioneiros do açafrão em Montalvão estão a demonstrar e mostrar.



Agora surge a recompensa, agora há visibilidade, agora é notícia... agora o Mundo já sabe, o Planeta já conhece (clicar).



É sempre com regozijo saber que Montalvão continua útil para o Mundo. Seja em que for. Seja como for.

Próxima "paragem": Montalvão Capital Mundial do Açafrão


0 comentários

Enviar um comentário