Fundação de Montalvão: Pré-conceitos - Montalvam

Páginas

17 setembro 2019

Textual description of firstImageUrl

Fundação de Montalvão: Pré-conceitos

17 setembro 2019 0 Comentários
A FUNDAÇÃO SUSTENTADA - EFETIVA, PERMANENTE E CONTÍNUA (ATÉ À ATUALIDADE) - DE UM MONTE ERMO DOMINANDO UM VASTO TERRITÓRIO NA PENEPLANÍCIE ALÉM TEJO.



TEM QUE SE TER EM CONSIDERAÇÃO QUATRO ACONTECIMENTOS HISTÓRICOS QUE SE INTERLIGAM E CONVERGIRAM:


1. Doação da «Herdade da Açafa» por D. Sancho I (Rei de Portugal) a Dom Lopo Fernandes (Grão-Mestre da Ordem dos Cavaleiros do Templo) em 5 de julho de 1199;


A vermelho os limites prováveis da «Herdade da Açafa», a sul do rio Tejo, doado por Dom Sancho I, em 5 de julho de 1199, à Ordem dos Cavaleiros Templários, para o pacificarem e povoarem. A ação dos Templários foi notável contribuindo para a expansão do Reino de Portugal, cristianização da população que era muito escassa devido a ser uma área inóspita e de conflito. Mas também serviu para controlar a expansão para sul do Reino de Leão sempre uma ameaça para os portugueses. Neste território seria fundada a Vila de Montalvão ainda em território templário mas sem Açafa que passou à história depois do sucesso cristão na Batalha de Navas de Tolosa (16 de julho de 1212) 

2. Estabelecimento do «Tratado de Alcanices» entre D. Dinis (de Portugal) e D. Fernando IV (de Castela), em 12 de setembro de 1272;


A azul a delimitação da fronteira onde se fazia sentir a influência de Portugal, pois era o território oriental da «Herdade da Açafa». Fronteira Leste no rio Salor, depois a montante deste rio pelo afluente ribeira Mula do Salor, seguindo-se uma cumeada - nascente do rio Alburrel, afluente do rio Sever - até ao norte de San Vicente de Alcântara que ficava na "fronteira" entre Portugal e Leão (depois Castela) passando a coincidir com a ribeira de Avid, sub-afluente do rio Sever (e afluente do rio Alburrel) depois de passar por Valença (atual Valência de Alcântara). A influência da língua portuguesa fez-se sentir, devido ao isolamento dessa região em Espanha, até aos anos 80 do século XX, pois quer em Valença (Valência), Ferreira (Herrera) ou Esparregal (Santiago) as populações falavam um misto de português e castelhano. Considerando que a «Herdade da Açafa» foi cedida, em 5 de julho de 1199, à Ordem dos Cavaleiros do Templo com o território a pertencer a Portugal até 12 de setembro de 1257, foi mais de meio século. E continuou até se perceber efetivamente a que país pertenciam (1383/85) e marcarem a fronteira e centralizar o Poder em Lisboa e Madrid. A tomada de consciência da nacionalidade nesses territórios foi tardia devido ao isolamento. Com a decisão em Alcanices de trocar as terras entre o Sever e o Salor pelas terras de Ribacoa, o sítio onde cresceria Montalvão passou de mais uma povoação ao povoado da raia, o primeiro no Alentejo de quem chegava de Norte a caminho do Sul, o último para quem seguia de Sul para Norte 

3. Interesse do último Grão-Mestre da «Ordem dos Cavaleiros do Templo» (antes de o ser...) por um território isolado, praticamente despovoado, desarticulado sem estrutura viária e conexão como agregado populacional nos confins do território templário, a partir de 1278;

4. Acordo de cedência dos direitos episcopais de Montalvão da jurisdição da Ordem do Templo a favor do Bispado da Guarda em, 16 de abril de 1287.

Dos pilares 1. (Açafa) e 2. (Alcanices) já se escreveram alguns pequenos textos neste blogue - havendo ainda muito para dizer - dos pontos 3. (Dom Vasco Fernandes) e 4. (Excomunhão e cedência) tudo ainda está por escrever neste blogue. Resta o Futuro próximo.


Nesta igreja, desde tempos ancestrais, os pais casaram
Neste templo, ainda nem a gatinhar, nos baptizámos 
Nesta catedral, esperançados na vida terrestre, nos casaram 
Neste Palácio dos Céus, ao morrermos, esta terra abandonámos


Dom Dinis nasceu na capital - Lisboa - em 9 de outubro de 1261, foi coroado e aclamado Rei de Portugal, aos 17 anos, em 16 de fevereiro de 1279 e faleceu em Santarém, após um reinado com 45 anos, em 7 de janeiro de 1325 (aos 63 anos). Paz à sua alma.

Assim se criaram condições e vontades para fundar Montalvão

0 comentários

Enviar um comentário