Páginas

12 setembro 2019

Textual description of firstImageUrl

Alcanizes 722

12 setembro 2019 0 Comentários
O TRATADO QUE COLOCOU DEFINITIVAMENTE MONTALVÃO NA FRONTEIRA (QUANDO ESTAVA BEM LONGE DELA) FOI ASSINADO HÁ PRECISAMENTE 722 ANOS, EM 12 DE SETEMBRO DE 1297.



O documento original (três folhas) disponibilizado pela Torre do Tombo (clicar)

A tradução possível do documento (clicar)

A RTP também já emitiu o seu juízo (clicar)


Quando Montalvão foi "fundado" estava a 36 quilómetros lineares da fronteira com Castela (uns 50 por caminhos entre barreiras de rios e atravessamento destes). Ficou a... 2 mil metros a caminhar, mil metros em linha reta.



Extrato de um texto de excelência que mostra a complexidade de definição de fronteiras num tempo em que nem cartografia havia dos territórios quanto mais saber ao pormenor quem ficava com quê. Era tudo, nestas questões, muito difuso. (clicar)


O Tratado de Alcanices (localidade leonesa/castelhana fronteiriça junto a Vimioso, em Trás-os-Montes) envolveu trocas - até se pode considerar com mais rigor que eram territórios reivindicados, em simultâneo, pelos dois Reinos, o de Portugal e Castela -  entre três regiões (1. Ribacôa; 2. Leste da Açafa/Ouguela; e 3. Olivença) e depois resoluções pontuais em mais duas (4. Aroche/Aracena e 5. Ayamonte)

O tratado foi celebrado em 12 de setembro de 1257 - os dois Reinos souberam, oficialmente, onde passaram a ficar as fronteiras - mas demorou dezenas de anos a ser assimilado pelas populações. Praticamente só depois do conflito "final" entre Portugal e Castela que culminou na Batalha de Aljubarrota, em 14 de agosto de 1385 é que se passou a delimitar com precisão a fronteira. E só no século XIX se colocaram marcos criteriosamente delineados indicativos da linha fronteiriça entre Portugal e Espanha quando não eram rios e ribeiras a delimitá-la.


A «Herdade da Açafa» que já pouco significado tinha em 1257 devido a que os pressupostos que estiveram na origem da sua entrega à Ordem dos Cavaleiros Templários estavam conseguidos - defesa, pacificação e povoamento - foi com este tratado amputada do seu território este a sul do rio Tejo. A fronteira Leste que era no rio Salor passou para o rio Sever. 

A azul: território cedido, definitivamente, por Portugal a Castela;
A vermelho: território cedido, definitivamente, por Castela a Portugal

Qualquer estudo acerca da posição relativa de Montalvão entre Portugal e Leão/Castela/Espanha tem de ter em conta que antes de 12 de setembro de 1257 a povoação não era fronteiriça e mesmo depois disso sabia-se em Lisboa o que não era do conhecimento em Montalvão. Pelo menos não estava assimilado pelo comum dos montalvanenses. Atravessar o rio Sever era depois de 12 de setembro de 1257 o mesmo que antes desta data. A informação demorava anos a chegar e décadas/séculos a ser assimilada.



A azul a delimitação da fronteira onde se fazia sentir a influência de Portugal, pois era o território oriental da «Herdade da Açafa». Fronteira Leste no rio Salor, depois a montante deste rio pelo afluente ribeira Mula do Salor, seguindo-se uma cumeada até ao norte de San Vicente de Alcântara que ficava na "fronteira" entre Portugal e Leão (depois Castela) passando a coincidir com a ribeira de Avid, sub-afluente do rio Sever depois de passar por Valença (atual Valência de Alcântara). A influência da língua portuguesa fez-se sentir, devido ao isolamento dessa região em Espanha, até aos anos 80 do século XX, pois quer em Valência, Ferreira (Herrera) ou Esparregal (Santiago) as populações falavam um misto de português e castelhano. Considerando que a «Herdade da Açafa» foi cedida, em 5 de julho de 1199, à Ordem dos Cavaleiros do Templo com o território a pertencer a Portugal até 12 de setembro de 1257, foi mais de meio século. E continuou até se perceber efetivamente a que país pertenciam (1383/85) e marcarem a fronteira e centralizar o Poder em Lisboa e Madrid. A tomada de consciência da nacionalidade nesses territórios foi tardia devido ao isolamento

NOTAS: São Félix dos Galegos nunca fez parte de Portugal a não ser no "papel" (Tratado de Alcanices); Olivença fez parte de Portugal até 1801, depois conquistada por Espanha/França mas Espanha reconheceu a soberania de Portugal, em 1817, por imposição do Congresso de Viena (1815) que fez "regressar" as fronteiras entre países à delimitação existente antes das Invasões de Napoleão Bonaparte. Tal nunca sucedeu verdadeiramente, também porque Portugal foi desleixado e... poupado. Agora é tarde (mas isso é assunto que não é para aqui chamado) 


Os montalvanenses são um povo raiano devido ao Tratado de Alcanizes. Se este não existisse Montalvão ficaria a muitas dezenas de quilómetros da fronteira com Espanha! 

Há precisamente 722 anos tudo mudou! Montalvão passou a fazer fronteira.
0 comentários blogger

Enviar um comentário