Páginas

31 agosto 2019

Textual description of firstImageUrl

Ciclos Eleitorais 1995

31 agosto 2019 + 0 Comentários
A VII LEGISLATURA TEVE, PELA SEGUNDA ELEIÇÃO CONSECUTIVA, QUATRO ANOS, DE 1995 A 1999.



Entre 1991 e 1995, em quatro anos, passou-se de 857 para 771 (menos 86) inscritos nos cadernos eleitorais da freguesia. A população residente em Montalvão e Salavessa era de 832 habitantes no Censo de 1991 e passaria para 597 montalvanenses/salavessenses, menos 235 habitantes, no Censo de 2001. Este Recenseamento Geral da População realizou-se em 15 de março.

1995


Em 1 de outubro de 1995 estas foram, na freguesia de Montalvão, as eleições confirmaram o domínio do Partido Socialista que, nas eleições seguintes, para a Assembleia da República, continuou a vencer sempre: 1999, 2002, 2005, 2009, 2011 e 2015. Nestas em 1995, a coligação CDU - Coligação Democrática Unitária - formada entre o PCP e o PEV (Partido Ecologista «Os Verdes») conseguiu a segunda posição e o PPD/PSD (Partido Social Democrata) ficaria com o terceiro lugar. A CDU manteria a segunda posição em 1999, 2005 e 2009. E seria terceira, em 2002, 2011 e 2015. 



O PS (Partido Socialista) venceu com 44,63 por cento e a nível nacional conseguiu um valor percentual semelhante,  obtendo 43,76 por cento dos votos, elegendo 112 deputados. Clicar aqui para resultados a nível nacional, no portal da Comissão Nacional de Eleições. Em 1991 foi o segundo mais votado, com 29,13 por cento e 72 deputados. O número de deputados eleitos foi reduzido de 230, tal como em 1991 e até às próximas (pelo menos...), em 6 de outubro de 2019.



No Círculo Eleitoral de Portalegre foram quatro as forças políticas que não se apresentaram a escrutínio: Partido Democrático do Atlântico (PDA), Partido da Gente (PG), Partido Popular Monárquico (PPM) e Movimento para a Unidade dos Trabalhadores (MUT), ex- POUS (Partido Operário de Unidade Socialista). Das treze forças partidárias os Montalvanenses/Salavessenses tiveram nove para escolher.


Reconstituição do boletim de voto utilizado nas duas secções de voto - Montalvão e Salavessa - na freguesia

Os simpatizantes montalvanenses do PDA, PG, PPM e MUT não puderam votar nestas forças partidárias.



O PS (Partido Socialista) venceu com 44,63 por cento tendo mais 69 votos (237, pois em 1991, foram 168 votantes).  A coligação entre o Partido Comunista Português e o Partido Ecologista «Os Verdes», a Coligação Democrática Unitária (CDU) conseguiu a segunda posição com 123 votos (23,16), ou seja, a 114 votantes do Partido Socialista. Entre 1991, com 158 votos e 1995 com 123 votantes, a CDU perdeu 35 votos. O Partido Social Democrata (PPD/PSD) foi a terceira força política mais votada com 20,34 por cento das escolhas, ou seja, 108 votos, menos 105 que em 1991, quando 213 eleitores votaram neste partido político!  O PPD/PSD teve menos 129 votantes que o PS e menos que 15 votos que a CDU. Muito próximos em resultados eleitorais.



Em 1991, de 616 votantes (71,88 por cento) passou-se, em 1995, para 531 votantes (68,87 por cento). Menos 85 votantes e foram 240 os abstencionistas. Estes diminuíram em... um eleitor que não votou (foram 241, em 1991). A abstenção passou de 28.12 por cento, em 1991, para 31.13 por cento, em 1995. Um aumento de 3.01 por cento, mas suficiente para ultrapassar, pela primeira vez, o limiar dos 30 por cento: 6.55 por cento (1975), 15.38 por cento (1976), 12.4 por cento (1979), 12.94 por cento (1980), 19.32 por cento (1983), 19.85 por cento (1985), 23.07 por cento (1987), 28.12 por cento (1991) e 31.13 por cento (1995).

 



2015


Nas derradeiras eleições legislativas o Partido Socialista (PS) venceu, o que ocorre há sete Eleições Legislativas consecutivas (1995, 1999, 2002, 2005, 2009, 2011 e 2015).



Em breve, as Eleições Legislativas em 1999: PS (211), PCP-PEV (106) e PPD/PSD (71). 
Ler Mais ►

29 agosto 2019

Textual description of firstImageUrl

Ciclos Eleitorais 1991

29 agosto 2019 + 0 Comentários
A VI LEGISLATURA TEVE, FINALMENTE, QUATRO ANOS, DE 1991 A 1995.



Entre 1987 e 1991, em quatro anos, passou-se de 893 para 857 (menos 36) inscritos nos cadernos eleitorais da freguesia. A população residente em Montalvão e Salavessa era de 1 044 habitantes no Censo de 1981 e passaria para 832 montalvanenses/salavessenses, menos 212 habitantes, no Censo de 1991. Este Recenseamento Geral da População realizou-se em 15 de abril. As eleições em 6 de outubro. 

1991


Em 6 de outubro de 1991 estas foram, na freguesia de Montalvão, as eleições que marcaram o futuro. O PCP (Partido Comunista Português) teve menos votos que o PS (Partido Socialista) e nunca mais nas eleições para a Assembleia da República (1995, 1999, 2002, 2005, 2009, 2011 e 2015) houve alteração. Nestas em 1991, pela segunda vez consecutiva o PPD/PSD (Partido Social Democrata) venceu com 213 votos (34,58 por cento). O PS foi segundo e a coligação CDU - Coligação Democrática Unitária - formada entre o PCP e o PEV (Partido Ecologista «Os Verdes») conseguiu a terceira posição. Após oito atos eleitorais (incluindo a eleição de 1976) para a Assembleia da República foi a primeira vez que o PCP ou uma coligação de que fez parte não fosse primeiro (cinco) ou segundo (dois).


O PPD/PSD (Partido Social Democrata) venceu com 34,58 por cento e a nível nacional conseguiu a segunda maioria absoluta da Democracia Portuguesa. A nível nacional obteve 50,60 por cento dos votos, conseguindo 135 eleitos. Clicar aqui para resultados a nível nacional, no portal da Comissão Nacional de Eleições. Em 1987 venceu com 50,22 por cento e 148 deputados. O número de deputados eleitos foi reduzido de 250 para 230 número que se manteve nas eleições seguintes.



No Círculo Eleitoral de Portalegre foram três as forças políticas que não se apresentaram a escrutínio: Frente de Esquerda Revolucionária (FER), Partido Democrático do Atlântico (PDA) e UDP (União Democrática Popular). Das doze forças partidárias os Montalvanenses/Salavessenses tiveram nove para escolher.


Reconstituição do boletim de voto utilizado nas duas secções de voto - Montalvão e Salavessa - na freguesia

Os simpatizantes da UDP (União Democrática Popular) pela primeira vez, desde 1976 não puderam votar nesta força partidária que teve sempre eleitores em Montalvão: 1975 (8 votos), 1976 (13 votos), 1979 (27 votos), 1980 (8 votos), 1983 (3 votos), 1985 (4 votos) e 1987 (5 votos). O PDA (Partido Democrático do Atlântico) concorre em dez círculos eleitorais mas está ausente em Portalegre. A  FER (Frente de Esquerda Revolucionária) concorre em cinco círculos eleitorais estando ausente em Portalegre.



O PPD/PSD (Partido Social Democrata) venceu com 34,58 por cento tendo menos 29 votos (213, pois em 1989, foram 242 votantes).  O Partido Socialista (PS) foi a segunda força política mais votada com 27,27 por cento das escolhas, ou seja, 168 votos, mais 78 que em 1989, quando 90 eleitores votaram neste partido político! A coligação entre o Partido Comunista Português e o Partido Ecologista «Os Verdes», a Coligação Democrática Unitária (CDU) conseguiu a terceira posição com 158 votos (25,25), ou seja, a dez votos do PS e a 55 votantes do PPD/PSD. A CDU perdeu 54 votos (158 em 1991 e 212 votantes em 1987).



Em 1987, de 687 votantes (79,93 por cento) passou-se, em 1991, para 616 votantes (71,88 por cento). Menos 71 votantes e foram 241 os abstencionistas. Estes aumentaram em 135 eleitores que não votaram (foram 106, em 1987). A abstenção passou de 23.07 por cento, em 1987, para 28.12 por cento, em 1991. Um aumento de 5.05 por cento, mas suficiente para uma aproximação ao limiar dos 30 por cento: 6.55 por cento (1975), 15.38 por cento (1976), 12.4 por cento (1979), 12.94 por cento (1980), 19.32 por cento (1983), 19.85 por cento (1985), 23.07 (1987) e 28.12 (1991).






2015

Nas derradeiras eleições legislativas o Partido Socialista (PS) venceu, o que ocorre há sete Eleições Legislativas consecutivas (1995, 1999, 2002, 2005, 2009, 2011 e 2015).



Em breve, as Eleições Legislativas em 1995: PS (237), PCP-PEV (123) e PPD/PSD (108). 
Ler Mais ►

28 agosto 2019

Textual description of firstImageUrl

J. P. Martins Barata 123

28 agosto 2019 + 0 Comentários
NASCEU HÁ 123 ANOS, NA HERDADE DO PEREIRO, UM MONTALVANENSE POR ADOPÇÃO.



Um "quase-povacho" importante para Montalvão?! Sim. Não havendo preconceito é um cidadão do Mundo ao qual os montalvanenses devem reconhecimento por ter registado, guardado e publicada informação relevante acerca da Cultura, Tradições e Hábitos seculares em Montalvão.


Aplica-se bem a Martins Barata o facto de sendo "estranho" ter entranhado as diferenças de Montalvão para as localidades que conhecia. É um facto que quem se vai habituando à vivência num lugar tudo desse lugar lhe é óbvio. Tal não acontece para quem lhe é exterior.

É uma questão de olhar e não ver (por nos irmos habituando à normalidade) ou olhar e ver (por quem desconhece mas reconhece). Foi assim com Martins Barata. 

A biografia de José Pedro Martins Barata é interessante. Sendo da Herdade do Pereiro (onde nasceu), viveu na Póvoa e Meadas (onde foi baptizado e passou a infância) até Alpalhão onde o pai João nasceu e a mãe D. Antónia (professora) trabalhou e conheceu o pai. Três locais que lhe foram moldando a personalidade, até Portalegre e Lisboa. Mais que Montalvão, ambos naturais de Montalvão, onde nasceram em meados do século XIX e depois foram viver para Alpalhão onde já nasceu o pai João. Mas foi Montalvão que o "marcou".

Como o Mundo é pequeno e Montalvão grande, casaria com uma montalvanense (D. Maria José de Faria Pimentel) nascida na rua do Arrabalde cujos pais tinham, entretanto, ido viver para a Póvoa e Meadas onde se cruzou com José Pedro Martins Barata. Os sogros casaram em Montalvão, com o sogro (António Manoel de Faria) a ser montalvanense de gema e a sogra (D. Inez da Encarnação Carrilho) nascida em Póvoa e Meadas, daí ser compreensível a saída de Montalvão para viverem em Póvoa e Meadas. Onde José Pedro Martins Barata e D. Maria Pimentel, tudo parece indicar, se conheceram. Mas casaram muito tarde para o que era comum na época. Ele com 38 anos e ela com 36 anos.

A curiosidade e surpresa é que a maior parte do "trabalho" de José Pedro Barata, em Montalvão, foi feito depois de se aposentar, ou seja, nos Anos 50, embora ele escreva que desde a adolescência (15/20 anos) ficou impressionado com a singularidade montalvanense. Daí que as primeiras publicações surjam em 1966 e a última em 1969 (como separata em 1970), mas tenha escrito: 


"Tradições religiosas em Montalvão e em Póvoa e Meadas no extremo-norte alentejano; pp.1; 1970
  
A pequena biografia, mas grande em qualidade e rigor que o historiador de Montalvão (e não só...) Jorge Rosa lhe fez merece ser transcrita na sua totalidade:


Reprodução do livro indicado na NOTA FINAL 5

Resta acrescentar que José Pedro Martins Barata faleceu em Lisboa, no n.º 200 da rua Saraiva de Carvalho (paredes-meias com o cemitério dos Prazeres) mas pediu para ser sepultado em Montalvão embora tenham declarado residir em Póvoa e Meadas. Faleceu de acidente vascular cerebral, viúvo, aos 82 anos, pelas 23 horas, em 25 de novembro de 1978.



Em 25 de novembro de 2020, para assinalar os 41 anos do seu falecimento neste blogue será feita uma recensão crítica da sua obra referente a Montalvão. E como o autor deste blogue o "descobriu" com cerca de 14 anos de idade, na sequência do 25 de abril de 1974, em Montalvão, numa carpintaria, localizada na rua das Almas.

Obrigado, José Pedro Martins Barata

NOTAS FINAIS:

1. O assento de batismo de José Pedro Martins Barata



2. Os três averbamentos (casamento, viuvez e óbito) de José Pedro Martins Barata


Casamento: 8 de outubro de 1924; viuvez: 29 de janeiro de 1967; óbito: 25 de novembro de 1978 

3. O assento de batismo da esposa D. Maria José de Faria Pimentel




4. O assento de óbito de José Pedro Martins Barata



5. Um livro para ler e reler: 



Ler Mais ►

27 agosto 2019

Textual description of firstImageUrl

Ciclos Eleitorais 1987

27 agosto 2019 + 0 Comentários
A V LEGISLATURA TEVE DOIS ANOS, DE 1985 A 1987 QUANDO DEVIA TER TIDO QUATRO, ATÉ 1989. O PRESIDENTE MÁRIO SOARES DEU "UM PASSO MAIOR QUE A PERNA".



Entre 1985 e 1987, num ano e nove meses, passou-se de 917 para 823 (menos 24) inscritos nos cadernos eleitorais da freguesia. A população residente em Montalvão e Salavessa era de 1 044 habitantes no Censo de 1981 e passaria para 832 montalvanenses/salavessenses, menos 212 habitantes, no Censo de 1991. Este Recenseamento Geral da População realizar-se-ia em 15 de abril.

1987


Em 19 de julho de 1987 estas foram, na freguesia de Montalvão, umas eleições com um resultado inesperado, vencendo o PPD/PSD (Partido Social Democrata) com 242 votos (35,23 por cento). O PPD/PS venceu, em Montalvão, a primeira das duas vitórias consecutivas: 35,23 (1987) e 34,58 (1991). O inesperado regressou tam como em 1976 quando se pensava ser o Partido Comunista Português (PCP) o vencedor e foi o PS (Partido Socialista). O PPD/PSD passou de quarta (1985) força política mais votada para primeira (1987). A coligação CDU - Coligação Democrática Unitária - formada entre o PCP e o PEV (Partido Ecologista «Os Verdes») conseguiu a segunda posição. O PS (Partido Socialista) foi terceiro e o PRD (Partido Renovador Democrático) de segundo em 1985 passou a quarto mais votado em 1987.



O PPD/PSD (Partido Social Democrata) venceu com 35,23 por cento e a nível nacional conseguiu a primeira maioria absoluta da Democracia Portuguesa. A nível nacional obteve 50,22 por cento dos votos, conseguindo 148 eleitos, mais 60 deputados que em 1985 (21 meses depois das eleições anteriores, em 1985) em que a vitória foi por maioria simples (29,87). Clicar aqui para resultados a nível nacional, no portal da Comissão Nacional de Eleições. O número de deputados eleitos manteve-se em 250.



No Círculo Eleitoral de Portalegre apenas o Partido Operário de Unidade Socialista não concorre. Das treze forças partidárias os Montalvanenses/Salavessenses têm doze para escolher.


Reconstituição do boletim de voto utilizado nas duas secções de voto - Montalvão e Salavessa - na freguesia

Os simpatizantes do POUS - Partido Operário de Unidade Socialista (trotsekista) não puderam votar nessas forças políticas. A alternativa ideológica mais lógica seria o PSR - Partido Socialista Revolucionário, resultante da fusão da LCI - Liga Comunista Internacionalista com o PRT - Partido Revolucionário dos Trabalhadores.



O PPD/PSD (Partido Social Democrata) venceu com 35,23 por cento tendo mais 169 votos (242, pois em 1985, foram 73 votantes). Impressionante para o histórico da freguesia. A coligação entre o Partido Comunista Português e o Partido Ecologista «Os Verdes», a Coligação Democrática Unitária (CDU) conseguiu a segunda posição com 212 votos (30,86), ou seja, a 30 votos do PPD/PSD. A CDU perdeu 44 votos (212, pois em 1985, foram 256 os votantes da APU - Aliança Povo Unido - integrando o Partido Comunista Português e o MDP/CDE (Movimento Democrático Português). O Partido Socialista (PS) foi a terceira força política mais votada com 13,10 por cento das escolhas, ou seja, 90 votos, menos 57 que em 1985, com 147 eleitores a votar neste partido político! O Partido Renovador Democrático, liderado pelo ex-Presidente da República, General Ramalho Eanes, passou de segundo mais votado, em 1985 - 175 votos (23,81 por cento) para quarta força política, em 1987 - 43 votos (6,26 por cento) perdendo 132 eleitores. O principal beneficiário da implosão do PRD foi o PPD/PSD. 



Em 1985, de 735 votantes (80,15 por cento) passou-se, em 1987, para 687 votantes (76,93 por cento). Menos 48 votantes e foram 106 os abstencionistas. Estes aumentaram em 76 eleitores que não votaram (foram 182, em 1985). A abstenção passou de 19.85 por cento, em 1985, para 23.07 por cento, em 1987. Um ligeiro aumento de 3.22 por cento, mas suficiente para ultrapassar o limiar dos 20 por cento: 6.55 por cento (1975), 15.38 por cento (1976), 12.4 por cento (1979), 12.94 por cento (1980), 19.32 por cento (1983), 19.85 por cento (1985) e 23.07 (1987).




2015

Nas derradeiras eleições legislativas o Partido Socialista (PS) venceu, o que ocorre há sete Eleições Legislativas consecutivas (1995, 1999, 2002, 2005, 2009, 2011 e 2015).



Em breve, as Eleições Legislativas em 1991: PPD/PSD (213), PS (168), PCP-PEV (158).


Ler Mais ►

26 agosto 2019

Textual description of firstImageUrl

Ser ou Não Ser

26 agosto 2019 + 0 Comentários
MONTALVÃO COM ARTISTAS DE GERAÇÃO.

Criação de Mari'Drumédes Caratana

Um carpinteiro que de um pedaço de madeira
Com mãos e inteligência de artista
Sabe imaginar o futuro e segue sem cegueira
Criando uma obra de utilidade, afecto e futurista



Uma filha de carpinteiro tem linho de coser  
E com um novelo colorido para tecer
Imagina quão belo pode este ser    
E resulta nesta maravilha de se ver




Ler Mais ►
Textual description of firstImageUrl

Montalvanense ou Montalvense

+ 0 Comentários
SEM A MÍNIMA DÚVIDA... MONTALVANENSE!



A internet trouxe muitas vantagens mas não só vantagens. Uma das desvantagens é a desinformação e notícias falsas por negligência, ignorância ou má intenção. Que de boas está o Inferno cheio.

Não é difícil "encalhar" em montalvenses. Eis dois exemplos:



Para fonte original (clicar)

Para fonte original (clicar)

O melhor investigador que houve (e existe que estas pessoas nunca morrem a não ser fisicamente) é o professor Ivo Xavier Fernandes (clicar para mais informação na wikipedia.pt). O gentílico para Montalvão está registado no Volume I da sua obra-prima:



Aliás é da escrita deste ilustre investigador que surge a base da origem do topónimo Montalvão que se vai repetindo até à exaustão nos dias de hoje, como consta do Volume II:





Ler Mais ►

25 agosto 2019

Textual description of firstImageUrl

Ciclos Eleitorais 1985

25 agosto 2019 + 0 Comentários
A IV LEGISLATURA TEVE DOIS ANOS, DE 1983 A 1985 QUANDO DEVIA TER TIDO QUATRO, ATÉ 1987.



Entre 1983 e 1985, em dois anos e seis meses, passou-se de 937 para 917 (menos vinte) inscritos nos cadernos eleitorais da freguesia. A população residente em Montalvão e Salavessa era de 1 044 habitantes no Censo de 1981 e passaria para 832 montalvanenses/salavessenses, menos 212 habitantes, no Censo de 1991. Este Recenseamento Geral da População realizar-se-ia em 15 de abril.

1985

Em 6 de outubro de 1985 estas foram, na freguesia de Montalvão, mais umas eleições de continuidade com confirmação do Partido Comunista como vencedor sucessivo de eleições legislativas. A «Aliança Povo Unido» coligação do PCP (Partido Comunista Português) com o MDP/CDE (Movimento Democrático Popular/Comissão Democrática Eleitoral) venceu com 256 votos (34,83 por cento). O PCP venceu, em Montalvão, a última das cinco vitórias consecutivas, a primeira, em 1976, como PCP e as quatro seguintes na coligação com o MDP/CDE - «Aliança Povo Unido» (APU) - nas eleições legislativas, em 1979, 1980, 1983 e 1985. O Partido Socialista (PS) foi terceiro e o Partido Social Democrata (PPD/PSD) foi a quarta força política com mais eleitores na freguesia. Entre a APU e o PS, o PRD (Partido Renovador Democrático) foi a segunda força política mais votada. Em eleições de estreia ou não tivesse esta legislatura sido antecipada de 1987 para 1985 para colocar em cena o partido apoiado pelo Presidente da República, Ramalho Eanes.



A coligação entre o PCP (Partido Comunista Português) e o MDP/CDE (Movimento Democrático Eleitoral), a «Aliança Povo Unido» venceu com 34,83 por cento mas nos resultados nacionais tudo foi diferente. A nível nacional, o Partido Social Democrata venceu com 29,87 por cento dos votos, conseguindo 88 eleitos, mais 50 deputados que os 38 da «Aliança Povo Unido» (APU). Clicar aqui para resultados a nível nacional, no portal da Comissão Nacional de Eleições. O número de deputados eleitos manteve-se em 250.


No Círculo Eleitoral de Portalegre, pela primeira vez em seis eleições legislativas (a primeira para a Assembleia Constituinte, em 1975) concorrem todas as forças políticas que o fizeram a nível nacional, num total de onze.  


Reconstituição do boletim de voto utilizado nas duas secções de voto - Montalvão e Salavessa - na freguesia

A força política «Aliança Povo Unido» (APU) integrando o PCP e o MDP/CDE venceu com 34,83 por cento tendo menos 34 votos (256, pois em 1983, foram 290 votantes). O Partido Socialista (PS) foi a terceira força política mais votada com 20,00 por cento das escolhas, ou seja, 147 votos, menos 134! Foi o novo partido presidencial, PRD (Partido Renovador Democrático) a beneficiar com esta transferência, pois conseguiu ser a segunda força política mais votada com 23,81 por cento, correspondendo a 175 votos (além da centena de votos de eleitores do PS em 1983 ainda conseguiu subtrair votos à APU e ao CDS (menos 28 entre 1983 e 1985). O Partido Social Democrata (PPD/PSD) obteve 73 votos (9,93 por cento), ou seja, menos três votos que os 76 em 1983. O impacte da criação do PRD no PPD/PSD, em Montalvão, foi diminuto.



Em 1983, de 756 votantes (80,68 por cento) passou-se, em 1985, para 735 votantes (80,15 por cento). Menos 21 votantes e foram 182 os abstencionistas. Estes aumentaram em... um eleitor (foram 181, em 1983). A abstenção passou de 19.32 por cento, em 1983, para 19.85 por cento, em 1985. Um crescimento diminuto de 0.53 por cento, mas a abstenção continua a aproximar-se dos 20 por cento: 6.55 por cento (1975), 15.38 por cento (1976), 12.4 por cento (1979), 12.94 por cento (1980), 19.32 por cento (1983) e 19.85 por cento (1985).



2015

Nas derradeiras eleições legislativas o Partido Socialista (PS) venceu, o que ocorre há sete Eleições Legislativas consecutivas (1995, 1999, 2002, 2005, 2009, 2011 e 2015).



Em breve, as Eleições Legislativas em 1987: PPD/PSD (242), CDU (212), PS (90) e PRD (43).
Ler Mais ►